Expulsão de jornalistas cria atrito entre China e EUA

Correspondentes americanos não terão vistos renovados; assunto é tema de reunião entre Biden e Xi Jinping

CLÁUDIA TREVISAN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2013 | 02h04

A possibilidade de que 24 jornalistas do New York Times e da Bloomberg sejam expulsos da China até o fim do ano se transformou no mais recente atrito entre Pequim e Washington e esteve entre os temas que o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, abordou durante encontro na quarta-feira com o presidente chinês, Xi Jinping.

Com atraso incomum, nenhum dos jornalistas dos dois veículos havia obtido até ontem a renovação de seus vistos de trabalho, sem os quais não poderão permanecer na China. Se a situação não mudar, o primeiro deles terá de deixar o país no dia 17. Os demais, no dia 31.

Pequim já expulsou jornalistas no passado, mas nunca forçou a saída de todos os correspondentes de uma organização. Se concretizada, a expulsão levará ao fechamento dos escritórios das organizações na China e afetará seus negócios no país. Segundo o New York Times, os correspondentes foram informados que seus vistos não estão sendo processados.

O site da Bloomberg está bloqueado na China desde junho de 2012, quando a agência publicou reportagem segundo a qual a família de Xi Jinping tem uma fortuna de US$ 376 milhões. Em outubro do mesmo ano, o New York Times veiculou investigação sobre o patrimônio dos familiares do ex-primeiro-ministro Wen Jiabao, que alcança US$ 2,7 bilhões. O site do jornal está inacessível desde então.

"Inovação ocorre onde as pessoas podem respirar livremente, falar livremente, são capazes de desafiar a ortodoxia, onde jornais podem reportar a verdade sem medo das consequências", disse Biden em encontro com executivos americanos em Pequim.

Segundo o New York Times, Biden relatou em reunião com jornalistas ter alertado Xi Jinping que a eventual expulsão teria "repercussões" para a China, especialmente no Congresso americano. O vice-presidente se reuniu com repórteres estrangeiros na China.

O porta-voz da chancelaria chinesa, Hong Lei, disse ontem que a imprensa estrangeira no país sempre foi tratada nos termos da lei. "Ao longo dos últimos anos, proporcionamos um ambiente bastante conveniente para jornalistas estrangeiros que trabalham na China", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.