Extradição de ex-militares divide ministros argentinos

A possibilidade de extraditar ex-militares argentinos acusados de violação de direitos humanos durante a ditadura (1976-1983) desatou os primeiros desentendimentos entre ministros do governo do presidenteinterino, Adolfo Rodríguez Saá. A entrega deles para serem julgados por tribunais de outrospaíses foi admitida pelo ministro da Justiça, Alberto Zuppi. "AArgentina adotará o critério de julgar ou entregar os acusados", disse ele. Já o chanceler José María Vernent, que acumula oMinistério da Defesa, recusou-se a confirmar as palavras docolega.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.