Extradição de Milosevic pode esperar, diz Belgrado

Sem ceder diante da pressão internacional para que o ex-presidente da Iugoslávia Slobodan Milosevic seja enviado à Haia, o ministro das Relações Exteriores, Gora Svilanovic, disse hoje que a extradição do ex-ditador não é prioridade. De acordo com o ministro, os iugoslavos herdaram "uma espécie de Estado semi-mafioso e temos outras prioridades no país"."Existe uma grande expectativa no exterior para que resolvamos nosso passado de crimes de guerra", disse Svilanovic à Associated Press. No entanto, segundo o ministro, "satisfazer o Ocidente não é algo em que realmente estejamos concentrados neste momento".As afirmações de Svilanovic foram feita depois que o enviado especial do tribunal de crimes de guerra da ONU, Hans Holthuis, entregou às autoridades iugoslavas, em Belgrado, uma ordem internacional de prisão contra Milosevic. Holthuis afirmou que o ministro da Justiça, Momcilo Grubac, prometeu entregar a ordem ao ex-ditador, que se encontra encarcerado.Entretanto, o procedimento, em grande parte simbólico, não significa que Milosevic será enviado de imediato a Haia para ser julgado. As autoridades iugoslavas desejam julgá-lo primeiro por crimes supostamente cometidos contra o próprio país, e muitos acreditam que o tribunal da ONU tem caráter puramente político. Milosevic é acusado de crimes contra a humanidade por sua suposta responsabilidade na campanha contra os descendentes de albaneses na província de Kosovo, em 1999.O governo iugoslavo não comentou oficialmente a reunião. Atualmente, as leis iugoslavas proíbem a extradição de iugoslavos para que sejam julgados em tribunais estrangeiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.