Extrema direita prepara-se para uma ampla derrota na Áustria

Após vários meses de lutas internas, o Partido da Liberdade (FP) de Joerg Haider, o de mais extrema direita na coalizão governamental em final de mandato, prepara-se para uma ampla derrota quando os austríacos votarem nas eleições parlamentares no domingo. Mesmo assim, o partido de Haider ainda poderá conservar um pé no poder. As mais recentes pesquisas mostram o FP com a preferência de entre 11% e 13% dos eleitores, uma forte queda em relação ao índice de 27% obtido nas eleições legislativas de 1999 - a segunda melhor colocação, o suficiente para participar da coalizão ao lado do conservador Partido do Povo Austríaco (OVP), do primeiro-ministro Wolfgang Schuessel, que ficou em terceiro. A dois dias do pleito, o partido de Schuessel e os social-democratas da oposição disputavam voto a voto as preferências do eleitorado nesta sexta-feira, gerando incerteza sobre os resultados e a futura composição do governo. Social-democratas e conservadores contam cada um com 37% das intenções de voto. Os Verdes, o quarto maior partido, têm 12%, segundo as pesquisas.Com os dois maiores partidos na disputa pela maioria, tanto os Verdes como o FP poderiam eventualmente vir a fazer parte da futura coalizão governista, dependendo de para que lado a balança deverá pender: social-democratas mais Verdes, conservadores mais extrema direita. Outra possibilidade seria a de os dois primeiros colocados - Partido do Povo Austríaco e Partido Social-Democrata - formarem uma Grande Coalizão de governo, como ocorria antes de 1999.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.