Extremistas ameaçam usar aviões para atacar Olimpíada

Pelo menos um avião da Air China foi obrigado a dar meia-volta e afastar-se do espaço aéreo chinês nesta sexta-feira, depois do recebimento de uma ameaça de bomba e de lançar aviões contra o Estádio Olímpico, onde acontecerá a cerimônia de abertura da Olimpíada de Pequim. Ao mesmo tempo, outras aeronaves da companhia aérea chinesa receberam ordem para permanecer em solo.Um policial que trabalha no Aeroporto Internacional de Narita, nos arredores de Tóquio, informou que a ameaça advertia à Air China que suspendesse imediatamente todos os vôos. "Caso contrário explodiremos todos os aviões. Lançaremos aviões contra o local da Olimpíada", disse o policial, que pediu para não ser identificado, lendo o texto da ameaça.Uma fonte no Ministério dos Transportes do Japão confirmou que a ameaça de bomba parecia ligada à Olimpíada. Não havia funcionários da Air China em Pequim nem em Tóquio imediatamente disponíveis para comentar o assunto.Um avião da Air China que seguia para Chongqing via Xangai foi obrigado a dar meia-volta e pousar no aeroporto japonês de Nagoya por causa da ameaça, disse um funcionário do aeroporto. Não foi revelado o número de pessoas a bordo da aeronave."O vôo 406 precisou retornar depois da ameaça de bomba. Ninguém se machucou. Assim que ficar confirmado que é seguro voar, o avião poderá seguir viagem", disse Akiko Noguchi, uma funcionária do aeroporto.A ameaça surgiu momentos antes da abertura oficial da Olimpíada de Pequim, prevista para começar às 9h08 desta sexta-feira (hora de Brasília), no Estádio Olímpico. Diversos líderes mundiais estarão presentes no local, entre eles os presidentes dos Estados Unidos, George W. Bush, e da China, Hu Jintao.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.