Reuters
Reuters

Extremistas chineses lutam na Síria, acusa Pequim

Segundo jornal estatal, radicais islâmicos viajam para a Turquia e de lá atravessam a fronteira

AE, Agência Estado

29 de outubro de 2012 | 17h29

PEQUIM - O governo chinês denunciou nesta segunda-feira, 29, que islamitas chineses da região separatista de Xinjiang (Turcomenistão do Leste) estão se juntando aos insurgentes sírios que tentam derrubar o governo do presidente Bashar Assad. Segundo o diário estatal chinês Global Times, radicais islâmicos dos uigures, uma etnia sino-turca de Xinjiang, estão viajando até a Turquia desde maio, onde atravessam a fronteira para a Síria e se juntam aos rebeldes.

O jornal citou autoridades chinesas que lutam contra o terrorismo. As autoridades teriam dito que os extremistas estão financiando suas atividades com crimes, como o tráfico de armas e drogas, sequestros e roubos.

"Após receberem ordens da rede terrorista Al-Qaeda, os terroristas da China vão à Síria para se encontrar com os jihadistas que já atuam no local, antes de partirem para a frente de batalha", disse a reportagem do Global Times, que citou fontes não identificadas. O governo chinês é aliado do presidente sírio Bashar Assad e reprime seus próprios separatistas, sejam tibetanos, uigures ou mongóis.

A presença de combatentes estrangeiros entre os rebeldes sírios tem sido denunciada pelo governo de Damasco, mas geralmente esses combatentes são líbios, magrebinos, sudaneses, turcos, azeris. É a primeira vez que chineses são incluídos entre os insurgentes sírios.

O Global Times afirma que dois grupos de separatistas uigures estão enviando combatentes à Síria: o Movimento Islâmico do Turcomenistão do Leste e a Associação de Solidariedade do Turcomenistão do Leste, ambos localizados na Turquia. A China afirma que os dois grupos são organizações terroristas.

Durante o final do período imperial na China, os uigures conseguiram montar uma república independente na região de Xinjiang, em grande parte desértica, mas após 1949 ela foi incorporada à China. Hoje a maioria da população é de chineses Han, imigrados do leste do país para a província, onde fica o deserto de Gobi.

Os nacionalistas uigures, contudo, não aceitam a soberania chinesa. Em 2009, violentos protestos em Urunchi, a capital da província, deixaram pelo menos 200 mortos.

O especialista chinês em terror Li Wei disse que os combatentes uigures lutaram em conflitos na Chechênia e no Afeganistão, e mantém uma presença ativa em países de maioria muçulmana, do Sudeste Asiático ao Oriente Médio. "Se eles estão na Síria, é algo que precisa ser verificado no local, mas o histórico sugere que existe essa possibilidade", disse Li, diretor de pesquisas sobre o terrorismo no Instituto Chinês de Relações Internacionais Contemporâneas, um think tank estatal em Pequim.

Com AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.