Extremistas islâmicos executam 2 jovens na Somália

Duas adolescentes acusadas de espionagem por extremistas islâmicos na Somália foram fuziladas ontem, na cidade de Belet Weyne, no oeste do país, em meio a moradores aterrorizados que foram obrigados pelos militantes da organização Al-Shabab a assistir às execuções. Hoje, os pais das duas adolescentes, de 15 e 18 anos, disseram que elas não tinham instrução, não saiam de casa e jamais poderiam ter espionado para o governo.

AE, Agência Estado

28 de outubro de 2010 | 19h53

"Todo mundo que assistiu à execução não podia conter a dolorosa experiência. Duas garotas jovens foram mortas a tiros e ninguém pôde ajudar e fazer nada", disse Dahir Casowe, um ancião de Belet Weyne. A rede extremista Al-Shabab é ligada à rede Al-Qaeda e tem conduzido execuções e amputações na Somália, forçando a introdução de uma visão extremista da Sharia, a lei islâmica, no país da África Oriental.

Esta foi a primeira execução de adolescentes em Belet Weyne, que a Al-Shabab tomou há apenas um ano. Apenas pouco antes da execução, o xeque Mohamed Ibrahim sentenciou as duas à morte por espionagem para soldados do governo que lutam contra a Al-Shabab. Moradores disseram que a Al-Shabab convocou a população com alto-falantes para assistir às execuções. Mais tarde, Ayan Mohammed Jama, de 18 anos, e Huriyo Ibrahim, de 15 anos, foram mostradas vestindo véus e com vendas nos olhos, antes de serem executadas. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
execuçõesSomáliajovens

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.