Extremistas islâmicos matam 13 pessoas na Nigéria

Extremistas supostamente islâmicos lançaram um ataque contra vigilantes em uma cidade no nordeste da Nigéria, matando 13 pessoas antes de serem baleados por forças de segurança, disseram testemunhas neste sábado, 8. O atentado ocorreu na sexta-feira em Maiduguri, reduto espiritual da rede extremista Boko Haram, que agora é alvo de uma ofensiva militar.

ASSOCIATED PRESS, Agência Estado

08 de junho de 2013 | 19h41

Os rebeldes haviam escondidos os rifles Kalashnikov dentro de um caixão envolto em um pano branco, como se estivesse preparado para enterro. Quando se aproximaram de um grupo de jovens vigilantes em uma van, eles sacaram as armas e abriram fogo, disse Sheriff Aji, que testemunhou o ataque. "Eles continuaram atirando até acabar a munição, então alguns jovens corajosos os cercaram e entregaram aos soldados, que os mataram ao tentarem escapar", informou.

Um porta-voz do Exército não estava imediatamente disponível para comentar o assunto. O tiroteio acontece depois que o presidente nigeriano, Goodluck Jonathan, declarou estado de emergência em 14 de maio nos Estados de Adamawa, Borno e Yobe states - território localizado na fronteira com Camarões, Chade e Níger. Em um discurso em cadeia nacional, Jonathan admitiu que o governo perdeu o controle de alguns vilarejos e cidades para combatentes extremistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.