Deji Yake/Efe
Deji Yake/Efe

Extremistas matam 143 pessoas em vilarejo na Nigéria

Militares precisaram recuar porque não conseguiram enfrentar poder de fogo dos rebeldes, disse uma fonte

O Estado de S. Paulo,

20 Setembro 2013 | 09h09

(Atualizada às 18h20) BENISHEIK - Um ataque militante islâmico contra viajantes ao longo de uma estrada no nordeste da Nigéria matou 143 pessoas, afirmou Abdulazeez Kolomi, da Agência de Proteção Ambiental do país, nesta sexta-feira, 20.

Militantes do grupo Boko Haram vestindo uniformes militares pararam o tráfego em uma estrada entre Maiduguri e Damaturu, arrastaram as pessoas para fora de seus veículos e as mataram, segundo testemunhas e fontes de segurança. "Estamos recolhendo cadáveres nas estradas durante todo o dia, há mais no mato, são todos viajantes assassinados pelos atiradores do Boko Haram que atacaram na terça-feira à noite. Temos até agora 143 cadáveres", disse Kolomi.

Um soldado que preferiu não se identificar disse à agência Associated Press que os rebeldes estavam fortemente armados. Os militares no local não conseguiram se defender, de acordo com a fonte, pois, além das armas, os extremistas estavam em 20 caminhonetes e dois tanques leves - os soldados tinham apenas rifles automáticos e granadas propelidas por foguetes.

"Tivemos de nos retirar para a nossa base para pedir reforço após ficarmos sem munição. Tivemos de correr para sobreviver", disse o soldado, que teve de se esconder em uma plantação de milho.

"Mas eles nos seguiram, rodearam nossa base e começaram a disparar contra nosso prédio. Não conseguimos suportar a força do seu poder de fogo. Nós tivemos de recuar para o vilarejo depois que eles mataram dois dos nossos soldados e três policiais". Moradores locais disseram que os extremistas atearam fogo em casas e atiraram em motoristas e pessoas que tentavam fugir do local./ AP, REUTERS e DOW JONES

Mais conteúdo sobre:
NigériaAbdulazeez Kolomi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.