Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Manish Swarup/AP
Manish Swarup/AP

Fábrica de baterias explode e deixa 13 feridos em Nova Délhi, na Índia

Ainda não há registro de mortos; não haviam trabalhadores dentro do prédio no momento do incidente, cuja causa provável se deve aos baixos padrões de segurança no trabalho do país

Redação, O Estado de S. Paulo

02 de janeiro de 2020 | 04h52

Uma fábrica de baterias pegou fogo e desabou em Nova Délhi, na Índia, nesta quinta-feira, 02. Até o momento, não há registro de mortes. As autoridades trabalham com 13 feridos, dentre os quais estariam bombeiros e um segurança.

À mídia local, um oficial do corpo de bombeiros disse que três pessoas foram resgatadas dos escombros. O prédio fica na área de Peera Garhi, no oeste de Nova Délhi. Ao todo, 35 carros de bombeiros trabalham no resgate às vítimas.

Segundo o chefe da equipe, a estrutura desabou logo após a explosão, que foi registrada por volta das cinco horas da manhã no horário local. Ele preferiu manter o anonimato, pois a divulgação oficial de informações ainda não foi permitida pelo governo.

Não haviam trabalhadores dentro do prédio quando o incêndio começou, por volta das quatro horas da manhã. Os bombeiros teriam se ferido durante as buscas por vítimas, informou a polícia. Eles já foram hospitalizados e passam bem. 

Apesar do incêndio já ter sido apagado, uma fumaça intensa toma conta dos arredores do que restou do edifício. Policiais afirmaram que isso se deve aos materiais altamente inflamáveis, como ácido e plástico, que eram utilizados para a fabricação das baterias. 

Por mais que ainda não tenha sido confirmado, os padrões de segurança de trabalho precários da Índia, podem estar por trás da explosão. Somente em dezembro passado, um incêndio que acredita-se ter sido causado por um curto-circuito elétrico tomou conta de um prédio em Nova Délhi, matando pelo menos 43 pessoas./ AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.