Fábrica ilegal de bateria contamina 24 menores na China

Vinte e quatro menores, com idades entre nove meses e 16 anos, foram hospitalizados por envenenamento causado por chumbo procedente de uma fábrica clandestina de baterias em uma aldeia no leste da China, informaram hoje meios estatais. Trata-se do mais recente episódio de uma série de casos de envenenamento relacionados à fabricação de baterias no país.

AE, Agência Estado

06 de janeiro de 2011 | 10h44

A agência de notícias estatal Xinhua informou que autoridades locais fecharam a empresa Borui Battery e outra fábrica de baterias cujo nome não foi revelado no condado de Huaining, província de Anhui, após exames médicos revelarem que pelo menos 200 menores de idade da região têm no corpo níveis elevados de chumbo. Desses, 24 tiveram de ser hospitalizadas. A empresa Borui não havia passado por testes ambientais requeridos e estava operando ilegalmente, segundo a Xinhua.

A agência afirmou que as duas fábricas estão próximas de residências, apesar da regra proibindo que essas fábricas fiquem a menos de 500 metros de áreas residenciais. Não foi divulgado quando as fábricas começaram a operar nem qual tipo de baterias produziam.

"Meu filho está de mau humor e inquieto. Chora com muita frequência", disse Huang Dazhai, pai de um menino de cinco anos cujo nível de chumbo no sangue é de 330,9 microgramas por litro. Somente 100 microgramas por litro já são suficientes para impedir o desenvolvimento do cérebro nas crianças. O texto não indicou quantas crianças foram expostas ao chumbo, mas as fábricas de baterias podem contaminar o ar e o solo com suas emissões tóxicas.

A China é o principal produtor e consumidor de chumbo no mundo. O componente é chave para baterias de ácido-chumbo, usadas em automóveis e motocicletas elétricas no país. Novos casos de envenenamentos ocorrem com regularidade, mostrando o alto nível de contaminação a que está exposto o setor rural chinês. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.