Reprodução/ YouTube/ Kalashnikov Group
Reprodução/ YouTube/ Kalashnikov Group

Fabricante do AK-47, Kalashnikov quer lançar arma para o público 'hipster'

Em entrevista, chefe da fabricante russa afirmou que 'arma gadget', que se conecta ao celular ou computador, será dirigida à geração Z

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2021 | 13h00
Atualizado 09 de fevereiro de 2021 | 18h48

MOSCOU - A fabricante do fuzil russo AK-47 – uma das armas de guerra mais emblemáticas de todos os tempos – pretende ampliar o seu mercado. De acordo com o chefe do grupo, Dmitri Tarasov, a Kalashnikov lançará uma “arma conectada especialmente para os hipsters”.

O novo armamento foi batizado de MP-155 Ultima. Ele tem como base um modelo já existente, o MP-155. Em sua versão “conectada”, será uma “arma gadget” para a prática de tiro, segundo Tarasov.

“Nosso objetivo é atrair o público que cresceu com os gadgets e não se imagina sem eles. A caça clássica hoje em dia se tornou mais rara, quase extravagante. Por isso, queremos nos dirigir aos hipsters, à geração Z”, disse Tarasov referindo-se aos nascidos a partir de meados da década de 90.

O MP-155 Ultima foi apresentada pela primeira vez em um fórum de armamentos em agosto de 2020. Ele usa munição de calibre 12/76 e pode ser sincronizado a um celular ou computador. O preço estimado é de 100 mil rublos, o equivalente a cerca de R$ 7,3 mil.

“Quero que as pessoas tenham realmente uma arma responsável e, ao mesmo tempo, procurem emoção. Por que não aproveitar a adrenalina e o prazer deste tipo de passatempo?”, questionou o chefe da empresa.

A Kalashnikov está em plena transformação desde a chegada de acionistas privados, em 2014. A empresa, que leva o nome do inventor do AK-47, Mikhail Kalashnikov – morto em 2013 –, se dedicou desde então a drones, iates e gadgets de todo tipo.

Semelhante a algo que pode ser encontrado em um videogame, o fuzil possui um corpo estiloso, um computador embutido na coronha – com uma pequena tela, Wi-Fi e Bluetooth – e uma câmera de vídeo. Ele pode filmar antes de transmitir as informações em tempo real para um smartphone.

O computador integrado também oferece várias funções básicas, incluindo um cronômetro que registra o número de tiros e acertos, o tempo e a taxa de tiro e o número de alvos atingidos.

O fuzil também tem uma bússola embutida e um módulo GPS que mostra a localização da arma. Quando a bateria acabar, a arma pode ser carregada através do conector USB em sua lateral.

O grupo Kalashnikov é o maior produtor de armas da Rússia e faz parte do conglomerado de defesa estatal Rostec. O grupo afirma que fabrica cerca de 95% de “todas as armas leves russas”.

Ataques a tiros na Rússia são relativamente raros. No último caso, um adolescente matou 20 pessoas, em outubro de 2018, em sua faculdade na Crimeia, território ucraniano anexado pela Rússia. No mês passado, um recruta do Exército russo foi condenado a 24 anos de prisão por matar oito soldados a tiros./ AFP

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.