Facções afegãs chegam a acordo

Quatro fações afegãschegaram a um acordo nas primeiras horas de terça-feira (04,pelo horário local) para a criação de um governo pós-Taleban,após um rápido progresso nas negociações após os Estados Unidosterem pressionado a Aliança do Norte a retirar obstáculos quepoderiam levar ao fracasso das conversações sobre o futuropolítico do Afeganistão. Numa noite de agitação diplomática, um funcionário da CasaBranca, Zalmay Khalilzad, telefonou ao líder da Aliança do NorteBurhanuddin Rabbani em Cabul e recebeu dele uma promessareferente à divulgação - previamente postergada - dos nomes deuma lista de candidatos ao governo interino, disse o enviadonorte-americano James F. Dobbins. Com a lista finalmente na mesa, as delegações que representama Aliança do Norte, exilados leais ao ex-rei Mohammad Zaher Shahe dois grupos menores de exilados finalizaram rapidamente otexto de um acordo para estabelecer um conselho de governointerino de 29 membros, disse Ahmad Fawzi, porta-voz daOrganização das Nações Unidas (ONU). De acordo com ele, na terça-feira serão iniciados os debatespara decidir quem chefiará o conselho. Segundo um diplomataocidental, esta rodada de negociações poderá durar mais 48horas. A Aliança do Norte, que capturou Cabul e a maior parte do paísem poder do Taleban com ajuda militar dos Estados Unidos,prometeu transferir o poder à administração interina assim queesta estiver formada. Dobbins, que pressionava as quatro facções para que fossealcançado um acordo razoável a ser respeitado após suaimplementação, orientou o trabalho de seus diplomatas apósconcluir que a aliança estava retardando a divulgação dos nomesde sua lista para evitar um acordo. Durante os últimos dias, a delegação da Aliança do Norte naAlemanha e líderes que retornaram a Cabul fizeram declaraçõesconflitantes sobre o que consideravam aceitável. Numa das controvérsias mais sérias, a delegação na Alemanhainformou que aceitaria uma força internacional de segurançaenquanto o líder da aliança Burhanuddin Rabbani dizia que umaforça composta exclusivamente por soldados afegãos seria capazde fazer o serviço. "Quando há um atraso de um dia ou algo assim, entendemos comouma necessidade legítima de se consultar diferentes pessoas. Masquando isto se repete, fica claro que mais obstáculos foramimpostos pelo fato de o acordo desagradar a alguma parte",declarou Dobbins, levantando pela primeira vez a possibilidadereal de que a negociação poderia fracassar. Younis Qanoonu, líder da delegação da Aliança do Norte,consultou Cabul, antes de iniciar uma reunião com as outrasfacções na qual apresentou a lista, contou Haji Ali Mirzai, umassessor do delegado da aliança Mohammad Natiqi. Participam da conferência interafegã de Bonn as delagações daAliança do Norte, do ex-rei afegão, do Grupo de Chipre, formadopor intelectuais exilados e apoiados pelo Irã, e do Grupo dePeshawar, de afegãos também no exílio, vinculados ao Paquistão. Segundo diplomatas, o plano da ONU prevê um conselho executivointerino de 29 membros para governar o Afeganistão e um conselhoindependente de anciãos para convocar uma assembléia tribal nofim de um período de seis meses. Durante esse período, o governo interino formularia umaConstituição e definiria o modo de transferência do poder. Oex-rei Shah poderia ser nomeado chefe simbólico desse processo econvocar a primeira Loya Jirga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.