Facções palestinas concordam em evitar aumento de tensão com Israel

Apenas o Fatah não fechou o acordo, por motivos políticos; objetivo é evitar nova ofensiva do Estado judeu

Efe

13 de janeiro de 2011 | 07h45

GAZA - Todas as facções palestinas na Faixa de Gaza, à exceção do Fatah, concordaram em diminuir a recente escalada da tensão com Israel para evitar uma nova ofensiva como a que deixou 1.400 palestinos mortos há dois anos.

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

A única facção que não concordou com a medida, por motivos políticos, foi o Fatah, movimento nacionalista liderado pelo presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas. Os representantes dos diferentes grupos se reuniram na noite de quarta-feira em Gaza para dialogar sobre o aumento da violência com Israel nas últimas três semanas.

 

O número de bombardeios e mortes palestinas por fogo israelense aumentou tanto em Gaza como na Cisjordânia, enquanto os grupos armados palestinos lançam foguetes e morteiros contra Israel com a maior frequência dos dois últimos anos. Os projéteis são disparados por milícias palestinas minoritárias, mas Israel considera o Hamas o "único responsável" por controlar Gaza desde junho de 2007.

 

Após o encontro da noite de quarta-feira, que foi precedido por dias de intensos contatos entre a direção do Hamas e as milícias, um dos líderes do movimento islâmico, Ayman Taha, leu um breve comunicado que destaca o compromisso das facções com a segurança do povo palestino e a necessidade de "protegê-lo de todas as agressões".

 

"Nosso povo é vítima da ocupação israelense há mais de um século e é seu direito resistir à ocupação por todos os meios no marco de um acordo nacional", acrescentou.

 

O "acordo nacional" é um pacto verbal firmado entre as facções - em algumas ocasiões desrespeitado pelas mais radicais - para manter os ataques a Israel em níveis relativamente baixos desde a operação israelense Chumbo Fundido, em 2008.

 

Jalil al-Hayah, líder de um dos grupos mais agressivos, a minoritária Jihad Islâmica, assinalou que os grupos armados "farão o possível" para evitar que os palestinos sejam alvo de "agressões do inimigo".

 

Os líderes das facções minoritárias também fizeram um chamado para que os dois grupos majoritários, o Hamas e o Fatah, resolvam sua disputa e cheguem à reconciliação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.