Divulgação/Facebook
Divulgação/Facebook

Facebook e Google se unem à imprensa francesa para combater notícias falsas

Empresas disponibilizarão ferramentas que sinalizarão conteúdo duvidoso e permitirão acompanhar as informações divulgadas pelos 16 veículos que se associaram à iniciativa

O Estado de S.Paulo

06 Fevereiro 2017 | 11h50

PARIS - Facebook e Google se aliaram a alguns dos principais veículos de imprensa da França para combater a propagação de notícias falsas, anunciou nesta segunda-feira o "Le Monde", um dos jornais participantes.

A três meses das eleições presidenciais francesas, que serão realizadas em abril e maio, o objetivo da parceria é implantar no país um dispositivo similar ao que foi lançado em dezembro nos Estados Unidos e chegará em breve à Alemanha, de modo a advertir sobre as publicações suspeitas.

"Le Monde", "L'Express", "Libération" e "20 minutes", "AFP", "BFMTV", "France Télévisions" e "France Médias Monde" trabalharão com o Facebook na ferramenta de alerta para a rede social.

Esta funcionalidade permite que os usuários tirem suas dúvidas sobre uma informação. Os veículos de imprensa associados poderão comprovar a notícia e, se confirmada a falta de veracidade, o link em questão passará a ser acompanhado por uma advertência que também aparecerá para todos que tentarem publicá-lo.

Como nos EUA, as notícias que forem etiquetadas com este sinal não terão possibilidades de ser exploradas com fins publicitários no Facebook, e o algoritmo que programa a distribuição dos conteúdos aos usuários poderá reduzir a circulação dessa notícia falsa.

Em paralelo, também foi anunciado o lançamento de outra plataforma do Google, apoiada pelo Facebook: CrossCheck. Essa ferramenta, segundo "Le Monde", reunirá as informações divulgadas pelos 16 veículos de imprensa franceses associados. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Facebook Google França

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.