Ken Cedeno/EFE
Ken Cedeno/EFE

Facebook e Twitter interferem em mensagens enganosas de Trump sobre covid-19

Em agosto, o Facebook já havia retirado um vídeo do presidente no qual ele afirmava que as crianças 'são quase imunes' ao vírus, dado que a rede social descreveu como 'desinformação prejudicial'

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2020 | 17h19

BIRMINGHAM/BANGALORE - Facebook e Twitter interferiram em mensagens publicadas nesta terça-feira, 6, pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que violam regras das plataformas contra conteúdo mentiroso. Trump afirmou que a covid-19 é como a gripe comum.

O Facebook retirou do ar a publicação de Trump, mas não antes de ela ser compartilhada 26 mil vezes, segundo informações da companhia de ferramentas de medição de dados CrowdTangle. 

“Retiramos informação incorreta sobre a gravidade da covid-19”, disse um porta-voz do Facebook, que raramente toma ações contra publicações de Trump.

Já o Twitter desativou retuítes de uma mensagem similar publicada por Trump e acrescentou uma etiqueta de aviso que afirma que o conteúdo violou suas regras sobre “disseminação de informações enganosas e potencialmente perigosas relacionadas à covid-19”. A empresa acrescentou, porém, que pode ser do interesse público que a mensagem continue acessível.

Depois de deixar o hospital na segunda-feira, onde recebeu tratamento para combater a covid-19, Trump tirou a máscara assim que chegou à Casa Branca e prometeu voltar rapidamente à campanha para as eleições de 3 de novembro. Pouco depois, em um vídeo, disse que os americanos não deveriam temer o coronavírus e sair de casa com cuidado.

Em agosto, o Facebook já havia retirado um vídeo do presidente no qual ele afirmava que as crianças "são quase imunes" ao vírus, dado que a rede social descreveu como "desinformação prejudicial".

Essa foi a primeira vez que o Facebook removeu uma postagem de Trump por conter informações incorretas.

O Facebook enfrenta pressão para impedir a disseminação de informações incorretas e, ao mesmo tempo, é acusado de silenciar visualizações ao solicitar a publicação de informações verdadeiras./REUTES e AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.