Nicholas Kamm / AFP
Nicholas Kamm / AFP

Facebook e Twitter penalizam contas de Trump por postagens que propagam desinformação sobre covid

Em vídeo e tuíte publicados pela campanha republicana, presidente afirma que crianças seriam 'quase' imunes ao coronavírus

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2020 | 21h09
Atualizado 06 de agosto de 2020 | 18h32

SÃO FRANCISCO - O Facebook e o Twitter penalizaram nesta quarta-feira, 5, contas oficiais da campanha do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, após a publicação de informações falsas sobre a pandemia da covid-19.

O vídeo removido pelo Facebook mostra uma entrevista concedida pelo presidente à emissora Fox News. Nela, Trump afirmou que as crianças praticamente não podem contrair o coronavírus. "Se você olhar para crianças, elas são quase - e eu diria quase que definitivamente -, mas quase imunes a esta doença", disse, acrescentando que elas "têm um sistema imunológico mais forte".

"Este vídeo inclui falsas alegações de que um grupo de pessoas é imune à covid-19, o que é uma violação de nossas políticas em torno de informações desagradáveis ​​e nocivas", disse o porta-voz do Facebook, Andy Stone. Esta é a primeira vez que o Facebook retira um post do presidente por violar as políticas da empresa sobre informações falsas.

O Twitter, por sua vez, anunciou ter bloqueado temporariamente a conta oficial da campanha de reeleição do presidente americano.

Na mensagem publicada pela conta @TeamTrump, o mandatário afirma que as crianças são "quase imunes" à covid-19, o que viola as regras contra a desinformação na rede social, explicou um porta-voz da plataforma à Agência France Press."O proprietário da conta deverá apagar o tuíte antes de poder voltar a tuitar", completou.

Um porta-voz da Casa Branca não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Enquanto muitas crianças tiveram sintomas mais leves do vírus, os pesquisadores descobriram que ainda são capazes de se infectar e passar para outras pessoas, incluindo adultos em casa e na escola, como professores.

O Facebook desativou anteriormente dezenas de anúncios colocados pela campanha de reeleição do presidente Trump que incluíam um símbolo usado pelos nazistas para designar presos políticos em campos de concentração.

O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, disse no fim de junho que o Facebook removerá as postagens que incitam à violência ou tentem reprimir a votação - mesmo dos líderes políticos - e que a empresa afixará etiquetas nas postagens que violem o discurso de ódio ou outras políticas.

As medidas representaram grandes concessões em meio à pressão do público, inquietação dos funcionários e um crescente boicote de anunciantes pela recusa de longa data do Facebook de abordar de forma mais agressiva o discurso de ódio e outras violações de plataforma de políticos como o presidente Trump.

As mudanças são pelo menos uma retirada parcial da deferência tradicional da empresa para o discurso que ela considera "digno de ser noticiado". Isso inclui a decisão do Facebook de não rotular ou remover um post de Trump que dizia: "quando os saques começam, o tiroteio começa".

Outras empresas, como o Twitter, que afixaram uma etiqueta de aviso em um post semelhante, foram mais vigorosas em responder ao que consideravam violações de políticas, incluindo de políticos./AFP e W. Post 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.