Loic Venance/AFP
Loic Venance/AFP

Facebook vai permitir que influenciadores criem conteúdo para campanhas políticas nos EUA

Postagens deverão ser divulgadas como conteúdo patrocinado; mudança ocorre após pré-candidato Mike Bloomberg fazer parcerias com páginas de meme

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2020 | 18h04

O Facebook informou nesta sexta-feira, 14, que estava permitindo que candidatos políticos baseados nos Estados Unidos publicassem conteúdos patrocinado em plataformas de redes sociais, sem no entanto catalogá-los como publicidade.

O branded content, ou conteúdo patrocinado, é postado por usuários pagos por uma marca para promover uma mensagem nas mídias sociais. O Facebook não ganha dinheiro com essas postagens e, portanto, não as considera como propaganda. No entanto, exige que os criadores de conteúdo deixem claro que se tratam de parcerias pagas. 

A plataforma havia anteriormente excluído entidades políticas de usar suas ferramentas para executar campanhas de conteúdo patrocinado, mas esclareceu que agora permite que influenciadores criem esse conteúdo para campanhas políticas se as postagens forem divulgadas como branded content. 

A mudança ocorre após o pré-candidato democrata Michael Bloomberg realizar uma campanha de conteúdo patrocinado em parceria com contas de memes populares no Instagram, propriedade do Facebook. 

"Depois de ouvir várias campanhas, concordamos que há um lugar para conteúdo patrocinado em discussões políticas em nossas plataformas", disse um porta-voz do Facebook em comunicado.

O Facebook disse que o conteúdo patrocinado de anunciantes políticos não será incluído em sua biblioteca de anúncios, um banco de dados mantido para fornecer transparência em relação a publicidade política e outras, a menos que o criador promova a postagem usando as ferramentas de publicidade da empresa.

As políticas de anúncios políticos do Facebook estão sob escrutínio antes das eleições presidenciais dos EUA em novembro, após a decisão da empresa de isentar os anúncios de políticos da verificação de fatos, muito criticada por alguns reguladores e legisladores.

A empresa disse na sexta-feira que exigirá que os candidatos políticos que executam campanhas de conteúdo patrocinado sejam "autorizados", o que significa que eles devem passar por um processo de verificação de identidade.

Um porta-voz do Facebook disse à Reuters que a campanha da Bloomberg não foi a única campanha política que perguntou sobre as políticas do Facebook em relação a conteúdo patrocinado.

Tudo o que sabemos sobre:
Facebook

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.