Facilidades para os bordéis gregos, antes das Olimpíadas

Numa concessão às prostitutas gregas antes dos Jogos Olímpicos no ano que vem, o governo submeteu, hoje, ao parlamento, um projeto de lei que tornará mais fácil a operação de bordéis no país. As prostitutas - ligadas na maioria a bordéis sancionados pelo estado ? protagonizaram dezenas de protestos, nos últimos meses, exigindo que as autoridades voltem atrás nas restrições de uma lei de 1999, que estabelece normas para a localização dessas casas.As prostitutas acusam o governo de tentar impor a lei de 1999, praticamente ignorada até hoje, para limpar a capital antes das Olimpíadas. Através dela, é obrigatório manter 200 metros de distância entre prédios públicos - tais como escolas, igrejas e centros pediátricos - e os bordéis. A mistura entre zonas comerciais e residenciais em Atenas torna praticamente todas as áreas proibidas para bordéis.A prostituição é legal e altamente regulamentada na Grécia, mas apenas em bordéis reconhecidos oficialmente. Com o projeto, tornar-se-á mais fácil para os bordéis operar perto de prédios públicos. Será cortada pela metade a atual distância entre esses prédios e os bordéis.?É mais lógico?, diz Dimitra Kanllopoulou, líder do Movimento de Prostitutas Gregas. ?É uma lei correta.? Seu grupo argumenta que a lei atual forçaria o fechamento dos bordéis de Atenas e estimularia o comércio ilegal do sexo, antes das Olimpíadas. Com o projeto, diz Dimitra, ?estaremos salvas? .

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.