Falções de al-Fatah advertem EUA e Grã-Bretanha

O sequestro em Gaza de dois jornalistas da revista Newsweek - um correspondente norte-americano e um fotógrafo britânico - foi uma advertência por parte da intifada palestina aos governos de Washington e Londres "para que cessem seu apoio ao governo de Ariel Sharon", primeiro-ministro de Israel. A informação consta de um documento divulgado hoje pelos Falções de al-Fath, depois da liberação dos dois jornalistas. A autenticidade do documento foi questionada pelos serviços de segurança palestinos, que sustentam que um grupo armado no sul de Gaza assumiu, arbitrariamente, a identidade dos Falcões de al-Fatah. O al-Fatah, principal facção da OLP, divulgou um comunicado em que condena o sequestro e garante que o responsável, um membro da organização que teria agido por conta própria, será punido. No documento dos Falcões, os sequestradores dos jornalistas se declararam indignados com o apoio dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha "ao governo assassino de Sharon". Ele acrescentaram que o norte-americano e o britânico "foram liberados sem condições". Entretanto, eles advertiram que se não houver mudança na política dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha, "os cidadãos desses países correm o risco de ser sequestrados ou atacados em qualquer parte da Palestina ou do mundo árabe".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.