Falha em antena atrasa vistoria do Discovery, no espaço

Os astronautas do Discovery inspecionaram a nave nesta terça-feira em busca de danos causados pela decolagem, mas o trabalho foi prejudicado pela falha da grande antena parabólica do ônibus espacial. A antena apresentou problemas de operação depois de o Discovery ter entrado em órbita ontem, numa viagem de reabastecimento da estação espacial.

AE-AP, Agência Estado

06 de abril de 2010 | 16h01

Dessa forma, os sete astronautas não têm como enviar ou receber grandes quantidades de informação como as imagens das asas e do nariz da nave, que foram coletadas na manhã desta terça-feira. Normalmente, essas imagens são enviadas imediatamente para o controle da missão em Houston para que especialistas possam começar a analisá-las o mais rápido possível.

Por causa do defeito na antena, o comandante Alan Poindexter e sua tripulação tiveram de colocar os dados em fitas de 40 minutos que levadas ao computador para conversão digital. No total, seis fitas foram usadas, contendo entre 35 e 40 gigabytes de informação.

O conteúdo será enviado assim que o ônibus espacial chegar à estação espacial amanhã, adiando as análises. Estão previstos alguns problemas no acoplamento por causa do defeito na antena que deveria indicar, por meio de um radar, quando a nave estiver a cerca de 40 quilômetros da estação. Os engenheiros acreditam que dificilmente o equipamento estará em pleno funcionamento até lá.

O controle da missão informou que os astronautas contam com outras ferramentas e que o acoplamento não será mais perigoso do que em outras ocasiões. "Nossa previsão é de chegar a tempo", disse Poindexter aos controladores de voo. Ele afirmou ter treinado para um acontecimento como esse duas semanas atrás, em Houston.

O diretor do voo, Richard Jones, disse que a principal consequência será o atraso de um dia na obtenção dos resultados da inspeção desta terça-feira, bem como dos dados coletados durante a decolagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.