Falha em Srebrenica derruba chefe das Forças Armadas

Acusado em relatório oficial de falhar na prevenção do massacre de Srebrenica, em 1995 na Bósnia, o chefe das Forças Armadas da Holanda, general Ad van Baal, renunciou ao posto hoje, um dia após a queda, pelo mesmo motivo, do governo do primeiro-ministro social-democrata Wim Kok.Na época, quando soldados holandeses a serviço da ONU nada fizeram para evitar a execução sumária de 7 mil civis muçulmanos-bósnios por milicianos servo-bósnios, o general Van Baal era o segundo na hierarquia militar holandesa.Segundo investigação oficial, que levou cinco anos para ser concluída, o governo de Kok e os chefes militares holandeses enviaram para o enclave um batalhão despreparado, mal equipado e sem um mandato adequado para proteger os civis acossados pelo bem treinado Exército servo-bósnio. Sob pressão dos sérvios e sem um decidido amparo internacional, o batalhão abandonou os moradores de Srebrenica à própria sorte. O relatório atribui também à ONU grande parcela de responsabilidade pela tragédias.A renúncia do chefe das Forças Armadas e do governo social-democrata ocorreu a quatro semanas das eleições parlamentares holandesas. Kok, que governa o país desde 1994, informou que não disputará um novo mandato. A pedido da rainha Beatrix, chefe de Estado, ele aceitou presidir um governo provisório.Por sua vez, o Parlamento holandês decidiu aprofundar as investigações do caso Srebrenika.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.