Falha técnica provoca vazamento radioativo em Fukushima

Cidade japonesa ainda vive as consequências do acidente nuclear de março de 2011, considerado o pior desde Chernobyl, em 1986

Efe

21 de abril de 2015 | 09h43

TÓQUIO - Um falha técnica provocou nesta terça-feira um novo vazamento de água radioativa procedente da usina nuclear de Fukushima no Oceano Pacífico, anunciou a operadora do local, Tokyo Eletric Power (Tepco).


O vazamento foi causado por causa de um acúmulo de água da chuva sobre a parte superior do reator 2 da usina. Após ficar contaminado pela radioatividade, o líquido escoou para os canais que desembocam no mar.


A água contaminada continha 29.400 becquerels por litro de césio radioativo e 52.000 de estrôncio, além de outras substâncias emissoras de raios beta - muito acima dos limites legais -, conforme as informações divulgadas pela Tepco.


A companhia detectou os níveis excessivos de radioatividade em abril de 2014, mas permaneceu em silêncio sobre o problema até fevereiro deste ano. Tampouco tomou medidas para solucioná-lo no período.


Para conter a saída da água contaminada, a Tepco informou que iniciou na última sexta-feira uma operação de bombeamento que levava o líquido para outros encanamentos que desembocam no píer da central, separado do Pacífico por um dique.


Após quatro dias em funcionamento, as oito bombas que compõem o sistema pararam, permitindo que a água radioativa fluísse em direção ao mar, explicou a Tepco em comunicado.


A companhia acrescentou que desconhece a quantidade e a concentração de substâncias radioativas que foram parar no mar. Neste momento, afirmou que se concentra em investigar as causas do acidente.


O acidente nuclear de março de 2011 em Fukushima é considerado o pior desde o de Chernobyl, na Ucrânia, em 1986.


As emissões e vazamentos radioativos mantêm 70 mil pessoas que viviam perto da fábrica fora de suas casas, além de terem afetado gravemente a pesca, a agricultura e a pecuária local.

Tudo o que sabemos sobre:
Fukushimaradiaçãoágua contaminada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.