Maria Alejandra Cardona/The New York Times
Maria Alejandra Cardona/The New York Times

Falsas notícias políticas em espanhol afetam eleitores latinos contra o Black Lives Matter

Rádios e mídias voltados ao público latino têm divulgado informações incorretas, que acabam sendo disseminadas pelo WhatsApp e podem afetar votação do democrata Joe Biden

Patricia Mazzei e Jennifer Medina, New York Times

21 de outubro de 2020 | 16h10

MIAMI - Mesmo para os padrões flexíveis de um programa de rádio partidário, o grave aviso da apresentadora de um programa em uma rádio popular de língua espanhola em Miami em uma tarde de setembro foi estranho.

Carinés A. Moncada, a anfitriã, afirmou que um cofundador da Black Lives Matter praticava bruxaria. “Então você se pergunta: 'Por que eles são destrutivos? ’”, disse ela, referindo-se aos manifestantes que apóiam o movimento Black Lives Matter. “Porque estão vibrando com o diabo. Eles estão vibrando com negatividade. Eles estão vibrando com a escuridão."

“E quem vota em Biden, infelizmente, está apoiando isso”, completou Moncada.

A apresentadora parecia estar citando o News Punch, um site conhecido por publicar teorias da conspiração. Ela postou um link para uma história publicada no site sobre bruxaria no Twitter. Foi com base em uma entrevista em que o co-fundador do Black Lives Matter mencionou invocar os “espíritos” de pessoas que morreram.

Ao repetir frases racistas no rádio, Moncada espalhou para além de seus 45 mil seguidores no Twitter e na mídia do sul da Flórida, um preocupante círculo de desinformação direcionado aos eleitores latinos no maior Estado da disputa presidencial do país.

Algumas das alegações absurdas e infundadas questionam a validade do número de mortos por coronavírus e questionam se Joe Biden pode ser presidente por causa de sua fé católica.

Mas algumas das mensagens mais insidiosas disseminadas para falantes de espanhol em todo o país, como a compartilhada por Moncada, têm o objetivo de colocar eleitores latinos e negros uns contra os outros usando linguagem racista - às vezes velada, às vezes não - para lançar aqueles que protestam contra a violência policial como indignos de confiança e perigosos.

Os esforços buscam estabelecer distinções claras entre eleitores negros e latinos, embora os negros de origem latina constituam uma parte considerável da população.

Os pesquisadores dizem que a escala e a natureza extrema da desinformação, após aumentarem a cada ciclo eleitoral, dispararam este ano.

“Eles alimentam medos reais sobre a pandemia, sobre o socialismo e a exploração de lacunas potenciais dentro das comunidades, entre a comunidade negra e a comunidade latina”, disse Jacobo Licona, que estuda desinformação para o Equis Labs, um grupo de pesquisa latino de tendência liberal. "Há informações incorretas de pessoas que nem mesmo entendem como as estão espalhando, o que continua a gerar tensão e ansiedade reais agora."

Campanhas atingem Biden

É difícil, senão impossível, saber qual o impacto que as informações falsas estão tendo sobre os eleitores até agora. Alguns estrategistas democratas notaram, em particular, que as pesquisas internas não mostravam que os rumores foram eficazes para fazer com que potenciais apoiadorees de Biden votassem no presidente Trump

Mas os especialistas dizem que grande parte da desinformação tem como objetivo suprimir o apoio a Biden e provavelmente aumentará nas últimas semanas da campanha. Se as pessoas são enganadas, elas podem nem se dar o trabalho de votar.

Muitos pesquisadores acreditam que a desinformação, principalmente nos dias finais da campanha, provavelmente contribuiu para reduzir a participação dos eleitores negros durante a eleição de 2016.

E permanece, por enquanto, impossível saber se a desinformação vem de influenciadores estrangeiros e em que medida a distribuição de desinformação é coordenada.

Combate à desinformação

Mas a desinformação total - a disseminação deliberada de falsidades - vem quase que exclusivamente dos conservadores, dizem os pesquisadores, até mesmo de uma série de sites de direita em espanhol que são projetados para parecer veículos de notícias apartidários.

Ativistas liberais e especialistas têm lutado para dar uma resposta precisa, em parte por causa das barreiras linguísticas e porque muita coisa foi divulgada em grupos fechados e privados.

No mês passado, a plataforma midiática sem fins lucrativos Poynter Institute anunciou um coletivo que incluiu as redes Telemundo e Univisión para compbater a desinformação na plataforma de mensagens WhatsApp

Os especialistas dizem que, embora o YouTube tenha tomado medidas na semana passada para remover o conteúdo vinculado à teoria da conspiração do grupo QAnon, grande parte dele permanece em vídeos em espanhol no site.

E a mensagem privada já se espalhou para o público na Flórida.

Um voto para Biden, disse Moncada na Rádio Actualidad - a estação AM mais popular de Miami, de acordo com a Nielsen, com um nicho entre os venezuelanos-americanos -, significa apoiar a anarquia e a violência. "É nisso que você está votando", alertou.

Moncada não respondeu a vários pedidos de comentários.

“Este assunto foi tratado internamente e não há mais comentários”, disse Adib Edén, presidente do Actualidad Media Group, por e-mail, sem entrar em detalhes sobre as ações tomadas internamente.

Muitos especialistas temem que as teorias da conspiração sejam mais perigosas em meio à pandemia do coronavírus, quando as pessoas procuram informações online para se manterem seguras.

No YouTube, por exemplo, um espectador que assiste a vídeos de horóscopo pode rapidamente ser levado a ver conteúdo sobre supostos remédios homeopáticos, que podem se transformar em teorias da conspiração, chamando a resposta ao coronavírus exagerada.

A desinformação prolifera primeiro online e, em seguida, é frequentemente compartilhada no WhatsApp, que é particularmente popular entre os imigrantes latinos.

Então, na Flórida, ele se infiltra no ecossistema amplamente desmarcado do mercado de mídia de Miami de jornais e estações de rádio e televisão em espanhol, cujos apresentadores e comentaristas de direita amplificam algumas das mensagens perniciosas.

Embora isso seja mais problemático na Flórida, há evidências de que está se espalhando por todo os EUA.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.