Reuters
Reuters

Falso intérprete é suspeito de participar de linchamento na África do Sul

Ele teria participado de ataque em que dois homens foram presos em pneus e queimados vivos

O Estado de S. Paulo,

16 de dezembro de 2013 | 12h49

PRETÓRIA - O falso intérprete que na semana passada ficou próximo de líderes mundiais como o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, na missa campal em homenagem a Nelson Mandela é suspeito de ter feito parte de uma turba que dez anos atrás linchou e queimou vivos dois homens por causa do roubo de um televisor.

Um primo e três amigos do falso intérprete, identificado na semana passada como Thamsanqa Jantjie, asseguraram à Associated Press que ele participou do episódio no qual, depois de linchados, os dois homens foram presos em pneus e queimados vivos.

De acordo com o familiar e os amigos, Jantjie foi identificado como um dos suspeitos de participação no crime, mas não foi julgado porque a justiça sul-africana o considerou "mentalmente incapaz" de responder pelo ato. Ele teria passado pouco mais de um ano em uma instituição psiquiátrica. As fontes pediram para não ser identificadas. /AP

Tudo o que sabemos sobre:
África do SulMandelaintérprete

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.