Falso médico preso com remédios falsificados

Germano Alves Ferreira, de 50 anos, portador de uma carteira de terapeuta, foi preso em Itajobí, por exercício ilegal da medicina. A polícia o localizou depois que o neto de uma portadora do mal de Alzheimer, de 82 anos, que trabalhou na indústria farmacêutica, estranhou os remédios administrados à avó. Depois de algumas investigações, os policiais concluíram que o acusado atendia aos pacientes na sua própria casa, cobrando R$ 150,00 pela consulta, já incluindo os remédios, que eram falsificados. Duzentos frascos foram apreendidos e os principais sinais de falsificação são os rótulos escaneados e colados com fita e figurar nos rótulos como fabricante o nome de um laboratório que apenas importa medicamentos. Ao mesmo tempo em que apreendeu a mercadoria e encaminhou para perícia, o delegado Osmair Sarrafini indiciou Germano -que foi transferido para a cadeia de Novo Horizonte - por exercício ilegal da profissão de médico e falsificação de medicamentos,o que poderá lhe render pena de 10 a 15 anos. As investigações agora procuram identificar outras prováveis vítimas do falso médico na cidade e também em Palmares Paulista e Catanduva, onde também teria atuado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.