Falso príncipe é condenado a 26 meses de prisão no Japão

Um indivíduo que se fez passar por membro de um ramo desaparecido da família imperial do Japão foi condenado com sua suposta esposa a 26 meses de prisão por receber há três anos presentes em uma falsa cerimônia de casamento, informaram nesta segunda-feira fontes legais.Yasuyuki Kitano, de 44 anos, que se fazia passar pelo príncipe Arisugawa, um sobrenome da realeza desaparecido há mais de 90 anos, celebrou seu falso casamento com Harumi Sakamoto, de 47 anos, e seaproveitou do prestígio da família imperial japonesa, segundo as fontes citadas pela agência "Kyodo". Um total de 61 dos 137 convidados para a cerimônia não sabia que Kitano era um impostor e a fraude chegou a 2,94 milhões de ienes (US$ 25.344).Kitano se passava por Satohito Arisugawa, suposto herdeiro de um sobrenome imperial que data de 300 anos e que desapareceu com o príncipe Takehito (1862-1913), que não deixou herdeiros do sexo masculino.O falso aristocrata se relacionou com o ex-presidente peruano Alberto Fujimori durante seu exílio de cinco anos no Japão, e seus encontros foram documentados com fotos pelo jornal "Shukan Bunshu" em artigo sobre a empresa "Grand Capital", acusada de fraude commoedas que celebravam os "três mil anos" do império Inca que supostamente foram cunhadas no Peru.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.