Agustin Marcarian / Reuters
Agustin Marcarian / Reuters
Imagem Lourival Sant'Anna
Colunista
Lourival Sant'Anna
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Falta de paciência

Eleitor volta a apoiar Cristina, responsável pela crise econômica que Macri não pôde reverter

Lourival Sant'Anna, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2019 | 03h00

A semana foi reveladora dos impasses vividos na América do Sul. Venezuela e Argentina, cada uma ao seu modo, aprofundaram suas agonias. Juan Guaidó, presidente interino proclamado pela Assembleia Nacional, perdeu uma queda de braço pelo apoio dos militares com o homem forte venezuelano, Nicolás Maduro.

No mesmo dia 30, o presidente Mauricio Macri venceu o duelo com os sindicatos alinhados com a principal líder da esquerda, Cristina Kirchner. A Frente Sindical, a CUT argentina, convocou para a véspera do Dia do Trabalho greve geral, cuja adesão foi pequena.

Como costuma acontecer também em outros países, os trabalhadores do metrô de Buenos Aires e das companhias aéreas aproveitaram a facilidade e a impunidade com que emparedam a população e pararam. Mas a maior parte das linhas de ônibus, trens e táxis da capital funcionou.

Macri venceu uma batalha, mas a vitória na guerra está distante. Duas sondagens divulgadas na quarta-feira indicam que o presidente está perdendo terreno na corrida para as eleições de outubro e novembro.

De acordo com a pesquisa Query Argentina, a imagem negativa de Macri soma 61% e a positiva, 30%. Dos entrevistados, 70% dizem que sua situação econômica piorou e 60% acham que continuará piorando. Se as eleições fossem agora, Cristina sairia na frente no primeiro turno com 32% dos votos, e Macri teria 25%. No segundo turno, Cristina ficaria com 38% e Macri com 30%. Ainda há 30% de indecisos.

A consultoria Real Time vê apenas 38% de chance de Macri se reeleger. Kirchner conta com 45%. Os motivos apontados pelos entrevistados estão interligados: inflação persistente e instabilidade cambial. Cristina está estável nessa pesquisa desde o mês passado, enquanto Macri caiu 4 pontos.

O presidente tenta escapar do abismo – que não é só o seu, mas o da Argentina, considerando a capacidade já provada de Cristina de destruir a economia e instituições do país – com um “Diálogo de Dez Pontos” com os governadores peronistas “no-K”, ou seja, que têm as mesmas origens, mas romperam com ela.

Desde o início do governo, Macri tem negociado com esses governadores, cujas bancadas no Congresso fizeram acordos pontuais com a Casa Rosada com base em interesses mútuos. 

A tática levou à aprovação de uma minirreforma da Previdência, cujos benefícios fiscais foram repartidos com as províncias, que afinal também sofrem com as aposentadorias sem lastro em contribuições.

Os dez pontos lembram a sepultada “Ponte para o Futuro” do MDB quando a inconsistência da política econômica de Dilma Rousseff mergulhava o Brasil no caos: equilíbrio fiscal, independência do Banco Central, abertura comercial, segurança jurídica, reforma trabalhista, redução da carga tributária, reforma previdenciária, garantias orçamentárias para as províncias, estatísticas transparentes e cumprimento das obrigações com os credores. 

O objetivo do diálogo, do qual participam três pré-candidatos a presidente, é garantir a governabilidade das administrações atual e futura. É uma saída ao estilo Macri: com base na conciliação e na racionalidade.

Eu cobri as eleições parlamentares de meio de mandato de outubro de 2017. Naquele momento, embora as metas de inflação e crescimento não tivessem sido atingidas, os argentinos ainda depositavam suas esperanças no governo, que venceu, embora sem maioria absoluta.

Hoje, a paciência dos argentinos se esgotou a tal ponto de eles flertarem com o desastre representado por Cristina, responsável pela herança econômica que Macri não está conseguindo reverter. E cujos pressupostos fizeram da Venezuela o que ela é hoje.

Escrevo da Etiópia, e aqui o primeiro-ministro Abiy Ahmed prepara um ambicioso programa de privatizações. Parece que aqui as coisas estão mais claras do que na nossa vizinhança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.