Falta verba para lidar com crises alimentares no mundo

A agência de alimentos da ONU afirmou hoje que nunca precisou lidar de uma só vez com tantas crises no mundo e que dispõe de muito pouco dinheiro para enfrentar essa situação. "Do orçamento deste ano do Programa Mundial da Fome (WFP, sigla em inglês), de US$ 2,5 bilhões, recebemos até agora US$ 1 3 bilhão", afirmou a porta-voz Christiane Berthiaume."A situação este ano é excepcional, com uma multiplicidade de crises aparecendo ao mesmo tempo. Isto é muito preocupante."A agência disse que a falta de fundos está causando a suspensão temporária de comida para 3 milhões de pessoas na Coréia do Norte , enquanto apenas 60% das necessidades foram cumpridas.Em Angola, o recente cessar-fogo possibilitou que o WFP tivesse acesso a 500 mil pessoas que antes estavam inacessíveis, mas recebeu apenas uma quarta parte da verba de que precisa para alimentá-las. Existem problemas semelhantes para financiar projetos na Eritréia, que está devastada pela seca; nos territórios palestinos e na América Central, como também na grande e complexa crise no sul da África, declarou a porta-voz. "Outras crises poderiam ainda ser acrescentadas. Há grandes incógnitas, como o Iraque e a situação na África ocidental", acrescentou.Ela afirmou que uma preocupação especial é que menos de 10% do dinheiro que o WFP recebeu é dirigido ao desenvolvimento. Numa perspectiva desenvolvimentista, os alimentos ajudam a prevenir os problemas de longo prazo e garantem que haja comida disponível quando ocorre uma emergência, disse Berthiaume. Ela afirmou que o WFP somente pôde fornecer ajuda rápida às pessoas atingidas pelo furacão Mitch, que atingiu a América Central em 1988, porque a agência já tinha alimentos na região, para serem usados em programas de desenvolvimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.