Faluja está ocupada, não derrotada; mais de 1.200 mortos

O assalto aéreo e terrestre à cidade de Faluja prosseguiu mais rapidamente que o esperado. Toda a cidade está ocupada após seis dias de combate, diz o comandante que planejou a ofensiva. No entanto, a cidade ainda não se rendeu, e serão necessários dias para eliminar todos os focos de resistência remanescentes.Informações oficiais dão conta de 31 americanos mortos na ação, contra 1.200 supostos rebeldes iraquianos.O general Richard Natonski disse que os militares aprenderam do cerco fracassado movido à cidade em abril, e que só foi suspenso por conta das críticas internacionais geradas pelo alto número de mortes entre civis.Desta vez, foram enviados seis vezes mais soldados e usados 20 diferentes tipos de aviões. Houve ainda uma encenação de combate antes do início da invasão de fato, para confundir os rebeldes refugiados na cidade.Ao mesmo tempo, ataques da insurgência em outras partes do Iraque, principalmente na cidade de Mossul, onde delegacias de polícia foram depredadas e incendiadas, forçaram os americanos a desviar tropas de Faluja. Aproveitando-se disso, os revoltosos de Faluja retomaram suas ações nos arredores da cidade.Hoje, fuzileiros navais e soldados ainda lutam para erradicar a resistência de alguns prédios na cidade. Tropas iraquianas vêm atrás revistando cada aposento de cada edifício da cidade, em busca de armas e rebeldes escondidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.