Faluja está pronta para "pegar em armas" contra o governo

Uma delegação da cidade de Faluja suspendeu negociações de paz com o governo iraquiano, acusando o primeiro-ministro interino Ayad Allawi de impor "condições impossíveis", como a rendição do líder terrorista Abu Musab al-Zarqawi, supostamente refugiado em Faluja. Allawi disse ontem que se os moradores não entregarem Zarqawi às autoridades, a cidade será submetida a uma ofensiva militar. O porta-voz do conselho religioso da Faluja, Abu Asaad, disse que essa é uma "condição impossível", já que nem mesmo as tropas dos Estados Unidos foram capazes de encontrar Zarqawi. "Já que esgotamos todas as soluções pacíficas, a cidade agora está pronta para pegar em armas e defender sua religião e sua honra, e não tem medo das declarações de Allawi", disse Asaad em entrevista à TV Al-Jazira. Aviões americanos lançaram diverso ataques contra a cidade hoje. As negociações tinham o objetivo de restaurar a autoridade do governo em Bagdá sobre Faluja, cidade que caiu sob o domínio de lideranças religiosas e milicianos após o fim do cerco imposto pelo fuzileiros americanos em abril.

Agencia Estado,

14 Outubro 2004 | 14h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.