Família afegã acusa Otan de usar bomba de fósforo

Razia, de 8 anos, é a primeira vítima no Afeganistão, desde 2001, a ser atingida por fósforo branco, um tipo de munição química capaz de produzir queimaduras profundas que não podem ser combatidas com água.A menina está sendo tratada no hospital da base americana de Bagram, com ferimentos profundos em todo o tecido do rosto, do couro cabeludo e das mãos. Os médicos encontraram vestígios da munição na cabeça e no pescoço de Razia.O uso de fósforo branco é permitido pelo direito internacional para iluminar o campo de batalha ou criar cortinas de fumaça, mas seu emprego em áreas civis é considerado ilegal.O pai de Razia, Aziz Rahman, diz que sua casa, na Província de Kapisa, foi bombardeada com fósforo branco por forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), durante uma ofensiva contra o Taleban.Jennifer Willis, porta-voz da Otan, confirmou que os militares da força de coalizão usam fósforo branco no Afeganistão, mas sugeriu que o Taleban pode ter atacado a casa de Razia.A tese de que os insurgentes têm capacidade de usar fósforo branco foi contestada pelo analista militar Marc Garlasco. Para ele, o Taleban não tem condições de realizar bombardeios com esse tipo de munição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.