Família de Jean Charles pode ter sido alvo de grampo telefônico

Um dos primos do brasileiro teria sido informado que seu telefone estava na lista das escutas ilegais

BBC

14 de julho de 2011 | 09h49

Imagem do circuito interno do metrô de Londres mostra Jean momentos antes de ser morto

 

 

 

Um dos primos do brasileiro Jean Charles de Menezes, morto por engano pela polícia britânica em 2005, teria sido uma das milhares de pessoas de uma lista cujo telefone foi grampeado pelo jornal News of The World.

 

Alex Pereira teria sido informado pela polícia que o seu telefone constaria na relação de números que teriam sido interceptados pelo tabloide dominical.

O jornal fechou suas portas neste domingo, após terem surgido novas revelações que causaram comoção na sociedade britânica ligadas aos grampos telefônicos que o jornal vinha realizando desde 2006.

 

O News of the World é um dos títulos do conglomerado News Corporation que pertence ao magnata Rupert Murdoch e foi fechado devido a uma série de denúncias de que teria grampeado telefones de celebridades, de familiares de vítimas de sequestros, dos atentados de 7 de julho de 2005, de parentes de soldados britânicos mortos em combate, e do ex-premiê britânico Gordon Brown, entre outras quatro mil pessoas.

 

Diante da intensa pressão de políticos, da imprensa e da opinião pública, Rupert Murdoch desistiu na quarta-feira de seguir com seus planos de adquirir a totalidade das ações da operadora de TV por assinatura BSkyB - da qual seu grupo possui 39%.

A informação de que a família de Jean Charles também teria sido alvo de um grampo deve despertar ainda mais indignação.

 

Nenhum policial foi punido pela morte do eletricista brasileiro de 27 anos, que foi vítima de policiais à paisana da Polícia Metropolitana de Londres, em 22 de julho de 2005.

 

Ele foi confundido com o militante Hussain Osman, suspeito de tentar fazer um fracassado atentado a bomba no metrô, durante os atentados que ocorreram duas semanas antes da morte do eletricista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.