Família identifica corpo de jornalista japonês morto no Iraque

Familiares de um dos dois jornalistas japoneses mortos no Iraque há dias identificaram o corpo pouco depois de ele ter sido mandado para o Kuwait, disse um diplomata do Japão. Exames serão necessários para identificar o segundo corpo. Parentes de Kotaro Ogawa, de 33 anos, puderam reconhecer o corpo, disse o diplomata que não quis ser identificado. Segundo ele, o corpo de Shisuke Hashida, de 61 anos, que ainda está em Bagdá, precisava de ?exames mais detalhados? para uma identificação segura. Hashida e Ogawa, seu sobrinho, ficaram presos em um carro que explodiu depois de ser baleado por atiradores não identificados perto de Mahmmoudiyah, ao sul de Bagdá, na quinta-feira. O intérprete deles também foi morto durante o ataque. O corpo de Ogawa foi encontrado a 10 quilômetros do local do crime.Os dois jornalistas estavam no Iraque como correspondentes de um tablóide diário do Japão, o Nikkan Gendai. Familiares, inclusive a mãe de Ogawa, Yoko, chegaram ao Kuwait na noite de sábado. Se a morte de Hashida for confirmada, vai subir para quatro o número de japoneses mortos no Iraque desde a invasão norte-americana ao país, no ano passado. Dois diplomatas japoneses foram mortos em novembro de 2003, em Tikrit. Em abril deste ano, cinco civis japoneses foram seqüestrados por militantes iraquianos. Alguns dos seqüestradores ameaçaram matar os reféns, a menos que o Japão retirasse do Iraque 500 de seus soldados em missão humanitária no sul do país. O governo se recusou e os reféns foram libertados em menos de uma semana. O ministro da defesa, Shigeru Ishiba, disse na sexta-feira que os incidentes não fariam o Japão retirar suas tropas do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.