FRANCOIS GUILLOT/AFP
FRANCOIS GUILLOT/AFP

Família judia recupera na França quadro roubado por nazistas na 2ª Guerra

A pintura esteve em poder de vários donos até acabar em um museu da cidade de Linz, no nordeste da França, onde o ditador Adolf Hitler planejava criar, sem êxito, 'a maior coleção' de arte germânica

O Estado de S. Paulo

28 de novembro de 2016 | 17h40

PARIS - Um quadro recuperado na Áustria após o fim da 2ª Guerra foi devolvido nesta segunda-feira, 28, pela França a uma família judia que fugiu da perseguição nazista na Alemanha em 1938.

A obra, do alemão Joos van Cleve (1485-1541) e intitulada Retrato de um homem, foi entregue a Henrietta Schubert e Christopher Bromberg, herdeiros de Hertha e Henry Bromberg, em cerimônia no Ministério da Cultura França.

Os Bromberg, ambos judeus-alemães, fugiram da Alemanha em 1938 e se instalaram em Paris. Um ano depois, foram forçados a se desfazer de seus bens, incluindo vários quadros, antes de se exilarem nos Estados Unidos.

A pintura esteve em poder de vários donos até acabar em um museu da cidade de Linz, no nordeste da França, onde o ditador Adolf Hitler planejava criar, sem êxito, "a maior coleção" de arte germânica.

Em 1945, a peça foi descoberta pelos aliados no interior das minas de Altaussee, na Áustria, junto a milhares de obras de arte saqueadas pelas forças nazistas.

Em 1949, o depósito do Museu do Louvre acolheu a pintura durante dez anos à espera de ser reivindicada, antes de finalmente chegar ao Museu de Belas Artes de Chambéry, no leste da França.

"Esta devolução é parte da política voluntarista do ministério de acelerar as restituições" de obras depredadas pelo regime nazista ou daquelas cujos proprietários tiveram de vender "de maneira forçada" entre 1933 e 1945, explicou a ministra da Cultura da França, Audrey Azoulay. / EFE 

Tudo o que sabemos sobre:
Nazismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.