Família muda italiana de clínica para tentar eutanásia

A mulher que está no centro de um debate na Itália sobre a eutanásia foi transferida hoje para um hospital que admite a possibilidade de concordar com o desejo de seu pai de deixá-la morrer. Eluana Englaro está há 17 anos em estado vegetativo. Ela foi levada na madrugada à cidade de Udine, no nordeste italiano, segundo o advogado da família, Vittorio Angiolini. Um pequeno grupo de ativistas contrários à eutanásia se reuniu na frente da clínica da cidade de Lecco para tentar impedir a saída da ambulância com a mulher. "Eluana, acorda!", gritaram alguns deles.A mulher entrou em coma depois de sofrer um acidente de automóvel, em 1992, quando tinha 20 anos. Seu pai mantém um prolongado litígio para que possa ser retirado o cateter pelo qual ela é alimentada e assim a filha possa morrer, o que seria, segundo ele, o desejo dela. Um tribunal italiano aceitou no meio de 2008 a petição do pai, desatando uma tormenta política no país, majoritariamente católico.Desde então o pai tentou levar a mulher da clínica católica onde estava em Lecco a Udine, onde vive a família. Porém o governo disse no mês passado que os hospitais públicos, por um decreto, devem manter a atenção aos pacientes em estado vegetativo. Pelo menos uma instituição de Udine se recusou a receber Eluana. Ela foi levada então para uma clínica privada, La Quiete.O ministro de Bem-Estar, Maurizio Sacconi, informou que o governo analisa a situação. A Itália não permite a eutanásia. Os pacientes têm o direito de recusar tratamento, mas nenhuma lei lhes permite solicitar antecipadamente o tratamento que gostariam de receber, caso fiquem inconscientes. VaticanoO caso suscitou uma forte reação do Vaticano, que se opõe à eutanásia. O papa Bento XVI afirmou no fim de semana que a eutanásia é uma "falsa solução" para o sofrimento. O cardeal Javier Lozano Barragán, ministro do Vaticano, disse ao jornal La Repubblica que retirar o tubo de alimentação "equivale a um assassinato abominável e a igreja sempre diz isso em voz alta".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.