Família quer que filho de Bin Laden deixe britânica

Omar diz que lutará para ficar com Jane, com quem se casou em abril

Efe, Riad, Arábia Saudita, O Estadao de S.Paulo

24 Julho 2007 | 00h00

Omar bin Laden, de 27 anos, quarto filho do líder da rede Al-Qaeda, Osama bin Laden, afirmou que sua família o está pressionando a separar-se de sua mulher britânica, Jane Felix-Browne, de 51 anos, com quem se casou em abril. "Estou apaixonado por ela. Lutaremos juntos até que a família se tranqüilize", disse o filho do homem mais procurado do mundo. Em entrevista ao jornal saudita Al-Watan, Omar assinalou que sua primeira mulher saudita, com quem tem um filho de 2 anos e meio, aceitou seu segundo casamento, apesar de "estar um pouco aborrecida com as notícias exageradas que têm sido publicadas pela imprensa". O Islã permite que um homem tenha até quatro mulheres, desde que as trate de forma justa. Jane - que já se casou outras cinco vezes, tem três filhos e cinco netos - conheceu Omar durante uma visita ao Egito, em setembro. Eles se casaram em abril, mas mantiveram o casamento em segredo até poucas semanas atrás, quando a britânica tentou obter um visto para que seu marido pudesse entrar na Grã-Bretanha. "Não me importo com seus outros casamentos, nem com sua idade. O importante para mim é que ela nasceu muçulmana e continua sendo muçulmana. Tenho uma cópia de seu passaporte original e o fato de ela ter mudado seu nome de Zeina (bent Mohamed al-Sabah) para Jane não significa nada", insistiu Omar, referindo-se ao fato de ela ter ascendência kuwaitiana. Omar viveu com seu pai no Afeganistão até 2000 e atualmente trabalha com comércio de ferro-velho na Arábia Saudita. Os dois passaram algum tempo em Jeddah, no oeste do reino wahabita, onde Omar vive com sua primeira mulher e o filho, antes que Jane voltasse para a Grã-Bretanha. Omar disse que pretende se encontrar em breve com Jane, provavelmente no balneário de Sharm el-Sheikh, no Egito, "pois um encontro na Arábia Saudita ou na Grã-Bretanha pode ser impossível".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.