Ali Khara/Reuters
Ali Khara/Reuters

Família reencontra bebê desaparecido durante retirada dos EUA do Afeganistão

Sohail Ahmadi, de apenas dois meses de idade, foi entregue a um soldado por cima do muro em agosto, mas somente agora sua família o localizou

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2022 | 14h28

CABUL - O bebê, Sohail Ahmadi, tinha apenas dois meses de idade quando desapareceu em 19 de agosto, quando milhares de pessoas correram para deixar o Afeganistão devido à chegada do Taleban ao poder. O menino, que foi entregue em um ato de desespero a um soldado do outro lado do muro do aeroporto, foi encontrado e se reuniu com seus parentes em Cabul no último sábado, 8.

O bebê foi localizado em Cabul, onde um motorista de táxi de 29 anos chamado Hamid Safi o encontrou no aeroporto e o levou para casa para criar como se fosse seu. Depois de mais de sete semanas de negociações e apelos e, finalmente, uma breve detenção pela polícia do Taleban, Safi finalmente devolveu a criança para seu avô e outros parentes que ainda estavam em Cabul.

Durante a tumultuada desocupação afegã no verão, Mirza Ali Ahmadi, o pai do menino que trabalhava como segurança na embaixada dos Estados Unidos, e sua esposa Suraya temeram que seu filho fosse esmagado pela multidão ao se aproximarem dos portões do aeroporto a caminho de um vôo para os Estados Unidos.

Ahmadi lembrou à agência "Reuters" no início de novembro de seu desespero naquele dia no qual entregou Sohail por cima do muro do aeroporto a um soldado uniformizado que ele acreditava ser um americano. Sua esperança era de que em breve ele percorreria os 5 metros restantes até a entrada do recuperá-lo.

Nesse exato momento, as forças do Taleban empurraram a multidão para trás e demoraria mais meia hora até que Ahmadi, sua esposa e seus quatro outros filhos pudessem entrar. Mas a essa altura o bebê não estava em lugar nenhum.

Ahmadi disse que procurou desesperadamente por seu filho dentro do aeroporto e foi informado por autoridades que ele provavelmente havia sido levado para fora do país separadamente e poderia se reunir com eles mais tarde. O resto da família foi retirado e acabou indo parar em uma base militar no Texas. Por meses, eles não tinham ideia de onde seu filho estava.

O caso destaca a situação de muitos pais separados de seus filhos durante o esforço de retirada apressada e retirada das forças americanas do país após uma guerra de 20 anos. Sem embaixada dos EUA no Afeganistão e organizações internacionais sobrecarregadas, os refugiados afegãos têm dificuldade em obter respostas sobre o momento, ou a possibilidade, de reunificações complexas como esta.

O Departamento de Defesa dos EUA, o Departamento de Estado e o Departamento de Segurança Interna não responderam aos pedidos de comentários no sábado.

Sozinho no aeroporto

No mesmo dia em que Ahmadi e sua família foram separados de seu bebê, Safi saiu pelos portões do aeroporto de Cabul depois de dar uma carona para a família de seu irmão, que também deveria se retirar do país.

Safi disse que encontrou Sohail sozinho e chorando no chão. Depois de dizer que tentou, sem sucesso, localizar os pais do bebê lá dentro, ele decidiu levar o bebê para casa, para sua esposa e filhos. Safi tem três filhas e disse que o maior desejo de sua mãe antes de morrer era que ele tivesse um filho.

Naquele momento, ele decidiu: "Vou ficar com este bebê. Se a família for encontrada, eu o darei a eles. Se não, eu mesmo o crio", disse ele à "Reuters" em uma entrevista no final de novembro. Safi disse que o levou ao médico para um check-up e rapidamente incorporou a criança à sua família. Eles chamaram o bebê de Mohammad Abed e postaram fotos de todas as crianças juntas em sua página no Facebook.

Depois que a história da Reuters sobre a criança desaparecida foi divulgada, alguns dos vizinhos de Safi - que notaram seu retorno do aeroporto meses antes com um bebê - reconheceram as fotos e postaram comentários sobre seu paradeiro em uma versão traduzida do artigo.

Ahmadi pediu a seus parentes que ainda estão no Afeganistão, incluindo seu sogro Mohammad Qasem Razawi, 67, que mora na província de Badakhshan, que procurassem Safi e pedissem que devolvesse Sohail à família.

Razawi disse que viajou dois dias e duas noites para a capital levando presentes, incluindo uma ovelha abatida, vários quilos de nozes e roupas, para Safi e sua família. Mas Safi se recusou a libertar Sohail, insistindo que ele também queria ser retirado do Afeganistão com sua família. O irmão de Safi, que foi retirado para a Califórnia, disse que Safi e sua família não têm nenhum pedido pendente de entrada nos Estados Unidos.

A família do bebê procurou a ajuda da Cruz Vermelha, que tem a missão declarada de ajudar a reconectar pessoas separadas por crises internacionais, mas disse que recebeu poucas informações da organização. Um porta-voz da Cruz Vermelha disse que não comenta casos individuais.

Finalmente, depois de sentir que não havia mais opções, Razawi contatou a polícia local do Taleban para relatar um sequestro. Safi disse à "Reuters" que negou as acusações à polícia e disse que estava cuidando do bebê, não o sequestrando.

A queixa foi investigada e indeferida, e o comandante da polícia local disse que ajudou a conseguir um acordo. Razawi disse que a família do bebê no final concordou em compensar Safi cerca de 100.000 afeganis (US $ 950) pelas despesas incorridas para cuidar dele durante cinco meses.

Finalmente devolvido

Na presença da polícia, e em meio a muitas lágrimas, o bebê foi finalmente devolvido aos seus parentes.

Razawi disse que Safi e sua família ficaram arrasados ​​com a perda de Sohail. "Hamid e sua esposa estavam chorando, eu também chorei, mas garanti a eles que vocês dois são jovens, Alá vai dar a vocês um filho homem. Não um, mas vários. Agradeci a ambos por salvar a criança do aeroporto", disse Razawi .

Os pais do bebê disseram que ficaram muito felizes ao ver com seus próprios olhos o reencontro por meio de um vídeo-chat. "Houve comemorações, dança, canto", disse Razawi. "Foi exatamente como um casamento."

Agora Ahmadi, sua esposa e outros filhos, que no início de dezembro conseguiram se mudar da base militar e se instalar em um apartamento em Michigan, esperam que Sohail seja levado em breve para os Estados Unidos. "Precisamos levar o bebê de volta para sua mãe e seu pai. Esta é minha única responsabilidade", disse seu avô. "Meu desejo é que ele volte para eles."/REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.