Famílias de britânicos mortos no Iraque vão criar partido político

Parentes de soldados britânicos mortos noIraque, revoltados com a guerra, vão formar o Spectre, um partido político que terá como objetivo enfrentar os trabalhistas nas próximas eleições gerais, afirma neste sábado o jornal The Guardian. Reg Keys, pai de um soldado morto no Iraque em 2003, disse ao jornal que as famílias vão se reunir nas próximas semanas para criaro Spectre. A nova formação política poderá apresentar 70 candidatos nas eleições de 2009. "Fomos enganados, ignorados e, francamente, insultados. Mas agora é diferente. Vamos fazer os ministros pagarem com as suas cadeirasno Parlamento", afirmou Keys. Ex-auxiliar médico, de 54 anos, ele se apresentou como candidatoindependente no ano passado, na circunscrição do primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, em Sedgefield, norte da Inglaterra. Keys é o maior incentivador do novo partido. O objetivo do Spectre é fazer os ministros que não votaram contra a participação britânica no conflito de 2003 perderem suas cadeiras nas próximas eleições, acrescenta o jornal. Os alvos preferenciais serão os políticos vistos pelos militantes como culpados da morte de seus filhos numa guerra que consideram ilegal. O Spectre deve ser lançado no mesmo dia do congresso do Partido Trabalhista, no fim de setembro, na cidade de Manchester, norteda Inglaterra. "Cada vez que vemos notícias de mais mortes, as lembranças voltam e recomeça o pesadelo das famílias", disse Keys. Seu filho, Thomas Keys, de 20 anos, e outros cinco colegas britânicos morreram num ataque a uma delegacia iraquiana em Al-Majar Al-Kabir, em 2003. Mas o pai soube depois que os soldados poderiamter sobrevivido se estivessem equipados com um telefone via satélite para pedir ajuda. "Se Thomas tivesse morrido lutando por seu país, numa guerra legal, não me preocuparia. Mas mentiram para nós. Saddam Hussein não tinha armas de destruição em massa, não era uma ameaça para nós. Vidas foram perdidas por nada", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.