Simon Maina/AFP
Simon Maina/AFP

Famílias identificam 112 dos 142 estudantes mortos no Quênia

Segundo o governo, demora na confirmação dos outros 30 corpos adia divulgação de lista oficial de vítimas; ataque do grupo terrorista Al-Shabab deixou 148 mortos em Garissa, no sudoeste do país

O Estado de S. Paulo

08 de abril de 2015 | 11h42

NAIRÓBI - Os corpos de 112 dos 142 estudantes da Universidade de Garissa assassinados por militantes do grupo Al-Shabab na quinta-feira foram identificados por suas famílias no necrotério de Chiromo, em Nairóbi, informou nesta quarta-feira, 8, a imprensa local. Além dos universitários, seis membros das forças de segurança também foram mortos.

O ministro da Saúde do Quênia, James Macharia, afirmou que os 30 corpos que ainda não foram identificados atrasaram a publicação da lista final de vítimas, que deve ser divulgada ainda nesta quarta-feira.

"A identificação das vítimas é manual, através de impressões digitais. O Escritório Nacional de Registros está comparando-as com as bases de dados do governo, já que se fizéssemos análise de DNA demoraríamos mais uma semana para ter os resultados", explicou o ministro ao jornal "Daily Nation".

Além disso, Macharia anunciou que, em parceria com a Cruz Vermelha do Quênia, 28 mil euros serão destinados para financiar os sepultamentos e cobrir os custos do transporte dos corpos dos estudantes às suas cidades de origem.

A comoção pelo massacre dos 142 estudantes e dos seis membros das forças de segurança do país que morreram durante a operação de resgate provocou uma série de protestos em Nairóbi e Garissa para pedir que o governo melhore a segurança no Quênia.

No parque Uhuru de Nairóbi, no centro da cidade, centenas de pessoas se reuniram na terça-feira para lembrar às vítimas do pior ataque terrorista desde o atentado da Al-Qaeda contra a embaixada dos Estados Unidos, que em 1998 deixou mais de 200 mortos. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
QuêniaGarissaAl-Shabab

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.