Edgar Su/Reuters
Edgar Su/Reuters

Famílias se revoltam com falta de informações sobre avião desaparecido

Mãe de um passageiro do MH 370 foi retirada de sala de reuniões após protestar contra autoridades

O Estado de S. Paulo,

19 de março de 2014 | 16h49

KUALA LUMPUR - A revolta dos familiares chineses em relação à falta de informações sobre o destino dos passageiros a bordo do avião da Malaysia Airlines desaparecido no dia 8 de março provocou cenas caóticas nesta quarta-feira, 19.

O ministro dos Transportes da Malásia ordenou uma investigação após seguranças carregarem para fora da sala de reuniões a mãe aflita de um passageiro do voo MH 370 da Malaysia Airlines. Ela protestava contra a falta de transparência nas investigações sobre o desaparecimento da aeronave.

"Eles estão apenas dizendo 'aguardem informações. Aguardem informações'. Nós não sabemos quanto tempo teremos que aguardar informações", gritou a mulher, antes de ser retirada da sala, onde ocorria uma entrevista coletiva à imprensa.

O ministro Hishammuddin Hussein lamentou a angústia causada aos familiares. "A Malásia está fazendo tudo ao seu alcance para encontrar o MH 370 e espero trazer algum grau de conforto para todos aqueles cujos familiares estão desaparecidos", disse em um comunicado.

As esperanças de que uma operação com a participação de 26 países levaria a resultados rápidos estão aparentemente diminuindo. No entanto, investigadores confirmaram que as buscas estão focadas no sul do Oceano Índico depois de nenhum vestígio do avião ter sido encontrado ao norte. "Nossa prioridade está sendo essa área", disse Hishammuddin na entrevista coletiva.

"A hipótese de trabalho é que ele foi para o sul, e além disso, que foi para o extremo sul daquele corredor", disse uma fonte próxima à investigação.

Ainda não foram encontrados destroços do voo MH 370, que desapareceu das telas de controle de tráfego aéreo, na costa leste da Malásia à 1h21 (horário local), em 8 de março, menos de uma hora após a decolagem de Kuala Lumpur com destino a Pequim./ REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
MalásiaMalaysia AirlinesMH 370

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.