Daniel LEAL / AFP
Daniel LEAL / AFP

Famosa cervejaria em cidade ucraniana para a produção e agora fabrica coquetéis molotov

Funcionários e voluntários preparam a arma à espera da chegada do Exército russo; local também servirá de abrigo subterrâneo em caso de ataque aéreo

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2022 | 09h44

LVIV, UCRÂNIA - Em uma área industrial de Lviv, principal cidade do oeste da Ucrânia, trabalhadores de uma cervejaria pararam de produzir a bebida e agora estão produzindo coquetéis molotov para usar contra o Exército russo.

"Temos que esperar que o pano fique bem encharcado aí, quando estiver, o coquetel molotov está pronto", diz um jovem funcionário sorridente, vestido com um casaco vermelho e um boné, enquanto empurra um pano no fundo de uma garrafa de cerveja cheia da mistura de óleo e gasolina.

Ao lado dele, outros dois funcionários repetem o mesmo gesto em um ambiente descontraído.

Os coquetéis molotov que estão prontos são colocados em cima de algumas tábuas para ficarem protegidos da queda de blocos de neve.

Temendo a chegada de tanques russos em Lviv, um reduto da identidade ucraniana, essas armas de rua parecem risíveis, mas para Iuri Zastavny a fabricação de cada uma é levada muito a sério.

Para Entender

Entenda a crise entre Rússia e Otan na Ucrânia

O que começou como uma troca de acusações, em novembro do ano passado, evoluiu para uma crise internacional com mobilização de tropas e de esforços diplomáticos

Fundada em 2014, a cervejaria Pravda é uma empresa bem conhecida em Lviv, onde já deu o que falar ao nomear uma de suas cervejas mais conhecidas de "Putin Huilo" (um xingamento ao presidente russo).

Estrutura de defesa

Os funcionários da fábrica começaram a fabricar coquetéis molotov, destinados à defesa territorial ucraniana, no sábado 26.

Os postos de controle já estão bem equipados na entrada de Lviv, cidade de 720 mil habitantes, onde policiais, militares e voluntários controlam rigorosamente a passagem de todos os veículos.

No domingo 27, a cervejaria informou nas redes sociais que abriu suas lojas para as pessoas usarem como abrigo subterrâneo no caso de um alerta aéreo.

Mesmo assim, a cervejaria planeja continuar fazendo coquetéis molotov. "Devemos fazer todo o possível para ajudar a vencer esta guerra", diz Zastavny.

Verba direcionada

Taras Maselka, de 36 anos, estava se preparando para fazer um festival de música e cerveja, mas com a invasão russa à Ucrânia, ele passou a direcionar os recursos para a resistência, inclusive os coquetéis molotov preparados na Pravda.

"É como uma cerveja craft, é a mesma forma de fazer. Por isso os trabalhadores sabem fazer. A parte mais difícil é atirar as garrafas", diz ele ao jornal The New York Times. / AFP e NYT

Tudo o que sabemos sobre:
cervejaRússiaUcrânia [Europa]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.