Fanático sequestra avião no México

Com bomba falsa, boliviano domina Boeing com 104 passageiros que ia de Cancún para a capital, mas acaba preso

Daniela Pastrana e Lydiette Carrión, CIDADE DO MÉXICO, O Estadao de S.Paulo

10 de setembro de 2009 | 00h00

Um fanático religioso boliviano sequestrou ontem um Boeing 737 da companhia Aeromexico que transportava 104 passageiros do balneário mexicano de Cancún para a capital, Cidade do México.

Segundo o secretário mexicano de Segurança Pública, Genaro García Luna, o sequestrador - identificado como Josmar Flores Pereira, um pastor evangélico de 44 anos - disse ter recebido uma suposta "revelação divina".

Segurando uma Bíblia o tempo todo, o sequestrador disse à polícia mexicana que o dia de ontem - 9 de setembro de 2009, ou 9/9/09 - seria uma representação do número apocalíptico 666 de cabeça para baixo. Segundo o depoimento, o sequestrador queria advertir o presidente do México, Felipe Calderón, quanto a um "iminente terremoto de proporções catastróficas" no país.

Segundo o secretário, Flores usou uma falsa bomba para sequestrar o avião depois de ter decolado de Cancún. Ele ordenou ao piloto que sobrevoasse a Cidade do México sete vezes antes da aterrissagem na capital.

Em uma breve entrevista, Flores disse, sorridente, que usou duas latinhas de suco, que ele encheu de terra e colocou luzinhas, para parecer que era uma bomba. Ele admitiu que esteve preso duas vezes, quando era viciado em álcool e drogas. As autoridades disseram que o sequestrador vive há 17 anos no México.

Depois do pouso, todos os passageiros foram libertados, mas a tripulação permaneceu a bordo, juntamente com o sequestrador.

Pouco depois, policiais mexicanos invadiram o avião e saíram com nove pessoas algemadas. A polícia esclareceu, entretanto, que apenas um sequestrador foi responsável pela ação. As outras oito pessoas retiradas da aeronave pela polícia seriam passageiros e tripulantes. Entre os passageiros algemados estava um deputado do Estado de Quintana Roo, onde fica Cancún.

A polícia disse que o sequestrador teria avisado a uma das comissárias que não atuava sozinho, mas "com a ajuda de Deus e do Espírito Santo".

Em um vídeo no YouTube, Flores diz que trabalhou como matador de aluguel em Santa Cruz, na Bolívia, e exibe a seus companheiros sua habilidade no manejo de armas ao jogar uma moeda para o alto e disparar contra ela. No site, também foram postados vídeos de Flores cantando músicas evangélicas e está à venda um DVD de sua atuação em um concerto na cidade de Oaxaca, em 2006. Em outro site, ele dá testemunhos dizendo que viveu 11 anos no mundo das drogas.

A passageira Adriana Romero relatou à emissora mexicana Televisa que os passageiros só ficaram sabendo do sequestro quando o avião já estava na pista do aeroporto. Eles perceberam que havia algo errado por causa da movimentação de carros de polícia e de ambulâncias na pista.

No saguão, passageiros de outros voos e funcionários das companhias aéreas acompanhavam com apreensão o desenrolar do cerco, vendo as notícias nos terminais de TV do aeroporto.

Funcionários das embaixadas dos Estados Unidos, Canadá e Grã-Bretanha foram enviados ao local, mas evitaram falar com a imprensa.

Parentes de alguns dos passageiros mantidos no avião reclamaram da falta de notícias por parte das autoridades mexicanas.

OUTROS SEQUESTROS

04/2009: Um Boeing 737-800 da companhia canadense Can Jet é sequestrado por um homem armado quando partia da Jamaica para o Canadá. O sequestrador queria levar o avião para Cuba

08/2008: Rebeldes sudaneses sequestram um Boeing com 187 passageiros a bordo na região de Darfur. O voo ia para Cartum, mas acabou aterrissando no Cairo, Egito

09/2005: Um homem numa cadeira de rodas e seu filho usam granadas para sequestrar um avião com 25 pessoas a bordo que ia da cidade colombiana de Florencia para a capital, Bogotá. Eles se renderam cinco horas depois

02/2002: Guerrilheiros das Farc sequestram um avião no trajeto Florencia-Bogotá e capturaram o senador Jorge Gechen, então presidente da Comissão de Paz do Senado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.