Ernesto Mastrascusa / Efe
Ernesto Mastrascusa / Efe

Farc ameaçam encerrar trégua caso governo continue ataques

Guerrilha mantém um cessar-fogo unilateral desde dezembro e pede que o presidente Santos encerre as operações do Exército 

O Estado de S. Paulo

19 Março 2015 | 16h05


HAVANA - As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) ameaçaram nesta quinta-feira, 19, acabar com a trégua unilateral implantada desde dezembro se o governo do presidente Juan Manuel Santos não parar os ataques militares aos rebeldes.

No dia 10 de março, Santos anunciou que as Forças Armadas colombianas iriam parar os bombardeiros aéreos por um mês e o ato seria estendido se as Farc continuassem o cessar-fogo.

A guerrilha, no entanto, criticou o Exército colombiano por realizar manobras ofensivas. Um dia antes de Santos anunciar a pausa nos bombardeiros, o Exército disse ter matado o comandante das Farc José David Suárez, líder de uma frente rebelde perto da fronteira com o Panamá.

"Estamos pedindo ao presidente Santos que faça algo para salvar a trégua unilateral pedida pelas Farc. Pare as operações militares contra a guerrilha agora", disse o líder rebelde Iván Márquez a repórteres em Havana, local das conversas de paz.

O governo de Santos e as Farc estão se encontrando em Cuba há cerca de dois anos e meio na tentativa de terminar o conflito mais longo da América Latina, que já matou mais de 220 mil pessoas e deslocou milhões desde 1964.

Negociadores de paz chegaram a acordos parciais sobre reforma agrária, o fim do tráfico de drogas e a participação de ex-rebeldes na política. No momento, estão discutindo sobre reparações às vítimas e desmobilização dos rebeldes.

Em um acordo separado, o governo e a guerrilha anunciaram um esforço conjunto para começar a remover minas terrestres espalhadas pelo país. /REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Farc Colômbia Juan Manuel Santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.