FARC e AUC se matam pelo controle do tráfico

Dez homens jovens, aparentemente combatentes das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), morreram no último fim de semana em confrontos no sul do país, informaram, nesta terça-feira, autoridades colombianas. "Na noite de domingo chegaram 10 cadáveres... que caíram durante um confronto entre as AUC e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC)", disse à Associated Press o comandante da polícia de Guaviare, coronel Juan Carlos Barón. Os combates ocorreram no sábado, na região selvagem da zona rural de Guaviare, cerca de 280 quilômetros ao sul de Bogotá, onde não há forças governamentais. Nos últimos dias, vêm ocorrendo constantes combates entre as AUC e as guerrilhas em todo o país, provocando um número não determinado de mortos. "São confrontos em zonas produtoras de coca, sem outro motivo que não seja o controle da atividade do narcotráfico", disse nesta terça o comandante das Forças Armadas, general Fernando Tapias. Em Guaviare, são extensas as plantações de coca, matéria-prima da cocaína. Tanto os paramilitares como os guerrilheiros cobram "impostos" dos produtores, com os quais financiam suas atividades. As AUC, que se autodefinem como um grupo antiguerrilheiro, expandiram-se por todo o país a partir do norte colombiano, onde têm seu quartel-general. Há dois anos, chegaram à região de Guaviare. Ao que parece, os guerrilheiros das FARC, para dar combate às AUC, uniram duas de suas frentes e uma coluna móvel.Nesta terça, uma comissão integrada por membros da Defensoria do Povo e da Cruz Vermelha Internacional adentrará a zona rural de Guaviare para apurar rumores entre os camponeses da região, segundo os quais poderia chegar a 50 o número de mortos nos últimos combates.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.