Farc e Bogotá publicam itens de negociação

As delegações das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e do governo de Bogotá, que negociam em Havana um acordo de paz definitivo para o conflito colombiano, publicaram ontem na internet todos os pactos parciais alcançados nos quase dois anos de conversações. A medida, segundo os negociadores, busca conferir transparência ao processo de paz e evitar especulações.

HAVANA, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2014 | 02h04

Ontem, foram publicados no site www.mesadeconversaciones.com.co os acordos já alcançados - segundo os negociadores, no primeiro, segundo e quarto pontos da agenda de diálogo entre os guerrilheiros e o governo colombiano.

Sobre o tema agrário, o primeiro ponto da agenda, os negociadores definiram quem serão os beneficiários de um fundo que será criado para adquirir terras. Também estabeleceram a criação de um censo de propriedades rurais que entrarão nesse processo.

Sobre o segundo ponto da agenda, a participação na política colombiana dos guerrilheiros futuramente desmobilizados, ficou estabelecida a criação do Sistema Integral de Segurança para o Exercício da Política.

Segundo o que foi divulgado anteriormente sobre o tema, os ex-guerrilheiros das Farc deverão contar com cadeiras especiais na Câmara dos Deputados para representar as regiões mais afetadas pelo conflito por pelo menos uma legislatura.

O quarto ponto, sobre as drogas ilícitas, deixa claro que as comunidades rurais participarão dos planos de substituição dos cultivos ilegais - e contarão com um tempo para essa transição. Mas a maneira exata como isso será feito ainda não foi negociada.

O anúncio da divulgação dos documentos foi feito pelo presidente colombiano, Juan Manuel Santos, em Nova York, onde o líder participa da Assembleia-Geral da ONU. Os pontos negociados em Cuba deverão passar por um referendo. Não está definido se a população poderá votar sobre cada um dos itens ou sobre todo o projeto. / AFP e EFE

Mais conteúdo sobre:
FarcColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.