Farc executam quatro dos reféns mais antigos

Militares foram mortos durante tentativa de resgate do Exército no sul do país; entre as vítimas está sargento capturado há quase 14 anos

BOGOTÁ, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2011 | 03h01

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) executaram ontem quatro dos reféns mais antigos da guerrilha durante uma operação de resgate do Exército colombiano. Os mortos eram parte do grupo de 18 sequestrados que permanece em poder da guerrilha.

Entre as vítimas está o sargento Libio José Martínez, sequestrado pelo grupo há quase 14 anos. As outras são o tenente Elkin Hernández Rivas, o coronel Édgar Yesid Duarte e policial Álvaro Moreno, todos sequestrados há mais de 12 anos. Informações dos serviços de inteligência colombianos indicavam que cinco reféns estariam no acampamento atacado. Luis Alberto Erazo foi encontrado vivo pelo Exército no mesmo local.

Segundo o ministro da Defesa colombiano, Juan Carlos Pinzón, os corpos dos militares foram encontrados na manhã de ontem, três deles com um tiro na cabeça. Um deles foi morto pelas costas.

Eles foram fuzilados nos arredores de Curillo, cidade no sul do país, onde o Exército fazia operações há 45 dias depois de obter informações de que reféns das Farc estariam na região.

Um soldado e uma guerrilheira ficaram feridos na tentativa de resgate feita pelo Exército. A mulher foi presa. O grupo teria executado os reféns quando percebeu a presença do Exército, desencadeando uma violenta troca de tiros. Pelo menos 30 guerrilheiros estavam no acampamento no momento.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, disse que "apenas a guerrilha é responsável por esse crime contra a humanidade". "As Farc apertaram o gatilho numa demonstração de crueldade", afirmou. Ele pediu ainda que a comunidade internacional condene a guerrilha.

A execução dos reféns ocorreu três semanas após a morte do comandante supremo das Farc, Alfonso Cano, durante confronto com o Exército. A liderança do grupo foi assumida por Timochenko, estrategista militar e membro mais antigo da guerrilha.

Sequestros. Martínez era o militar com mais tempo de cativeiro. Foi sequestrado em 1997, aos 21 anos, quando sua mulher estava grávida de seis meses. O filho, Johan Steven, só conhece o pai por fotografias e tornou-se um exemplo da luta pela libertação dos reféns. Edgar Yesid Duarte também não viu o filho crescer. Foi sequestrado em 1998, meses após o nascimento do bebê.

Álvaro Moreno foi sequestrado quando o filho tinha 2 anos. Segundo parentes, a criança aprendeu a somar contando os dias de cativeiro do pai. Elkin Hernández Rivas foi capturado aos 22 anos, quatro meses antes da data marcada para se casar. / EFE, REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.