Farc libertam refém após 12 anos de cativeiro na selva

Farc libertam refém após 12 anos de cativeiro na selva

Operação, que teve participação brasileira, foi marcada por nova crise entre Bogotá e a emissora de TV Telesur

AP, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2010 | 00h00

BOGOTÁ

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) libertaram ontem o sargento do Exército colombiano Pablo Emilio Moncayo, refém que esteve por mais tempo em poder dos guerrilheiros, 12 anos e 3 meses, numa operação marcada por mais uma polêmica envolvendo Bogotá e a televisão multiestatal Telesur, de Caracas.

Antes da chegada dos helicópteros de resgate, a Telesur divulgou imagens de Moncayo esperando num local controlado pelas Farc. Bogotá acusou o canal de fazer apologia da guerrilha (mais informações nesta página).

A operação contou com apoio do Exército brasileiro e foi coordenada pela senadora colombiana Piedad Córdoba e pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

Moncayo, de 32 anos, foi o segundo refém das Farc a ser libertado nos últimos dias. No sábado, o cabo Josué Daniel Calvo foi retirado do cativeiro em ação semelhante. Os gestos unilaterais das Farc pretendem atrair o governo para uma troca de reféns por guerrilheiros presos.

Em fevereiro de 2009, o grupo armado já havia libertado outros quatro sequestrados. Na segunda-feira, o presidente colombiano, Álvaro Uribe, disse que aceitaria um amplo acordo humanitário desde que os guerrilheiros libertados nunca mais voltassem a pegar em armas.

Emoção. Moncayo desembarcou no início da noite de ontem no aeroporto de Florencia, onde era esperado por seu pai, Gustavo Moncayo, a mãe e as irmãs. A pedido do pai, o militar retirou as correntes que ele usava nos pulsos para protestar contra o longo cativeiro do filho. Depois, Moncayo agradeceu a Deus, a seu pai, e aos presidentes brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, e venezuelano, Hugo Chávez, pelos esforços para libertá-lo.

Uribe divulgou um comunicado no qual agradece ao governo brasileiro, ao CICV e à Igreja Católica pela libertação. Ontem, o mau tempo atrasou a partida do helicóptero em direção à selva por mais de duas horas. O regresso da aeronave a Florencia - trazendo Moncayo a bordo - também foi atrasado pelas fortes chuvas, aumentando a ansiedade dos parentes. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.