Farc negam assassinato de ex-ministra

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) negaram nesta segunda-feira que tenham assassinado a ex-ministra Consuelo Araújo e culparam o Exército por sua morte. "Foi o Exército que matou Consuelo Araújo. A atitude do Exército colombiano foi infinitamente irresponsável e insensata, porque buscou o triunfo e o aplauso por ações efêmeras, que terminaram por matar a ex-ministra", diz o comunicado das Farc, transmitido a partir da zona desmilitarizada, no sul do país. Os rebeldes não especificaram como o Exército teria assassinado Consuelo Araújo. De acordo com as Forças Armadas, a ex-ministra, que havia sido seqüestrada pelas Farc no dia 24 de setembro, foi morta no sábado à noite pelos rebeldes, quando eles se viram rodeados por soldados militares. O Exército tentava resgatar Consuelo Araújo, que havia sido seqüestrada com outras 20 pessoas nas redondezas da cidade de Valledupar, no norte da Colômbia. A maior parte dos reféns já foi libertada. As Farc reconheceram o seqüestro de Consuelo Araújo e lamentaram o seu assassinato. A morte da ex-ministra já levou o governo do presidente Andrés Pastrana a anunciar que vai rever o processo de paz, em curso há três anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.