Farc negam assassinato de ex-ministra

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) negaram nesta segunda-feira que tenham assassinado a ex-ministra Consuelo Araújo e culparam o Exército por sua morte. "Foi o Exército que matou Consuelo Araújo. A atitude do Exército colombiano foi infinitamente irresponsável e insensata, porque buscou o triunfo e o aplauso por ações efêmeras, que terminaram por matar a ex-ministra", diz o comunicado das Farc, transmitido a partir da zona desmilitarizada, no sul do país. Os rebeldes não especificaram como o Exército teria assassinado Consuelo Araújo.De acordo com as Forças Armadas, a ex-ministra, que havia sido seqüestrada pelas Farc no dia 24 de setembro, foi morta no sábado à noite pelos rebeldes, quando eles se viram rodeados por soldados militares.O Exército tentava resgatar Consuelo Araújo, que havia sido seqüestrada com outras 20 pessoas nas redondezas da cidade de Valledupar, no norte da Colômbia. A maior parte dos reféns já foi libertada. As Farc reconheceram o seqüestro de Consuelo Araújo e lamentaram o seu assassinato. A morte da ex-ministra já levou o governo do presidente Andrés Pastrana a anunciar que vai rever o processo de paz, em curso há três anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.