Farc negam ter negociado com França libertação de Granda

Libertação de ´Chanceler´ não estaria na lista de prioridades da guerrilha

Agencia Estado

15 Junho 2007 | 02h48

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) negam ter negociado com a França a libertação do seu "chanceler", Rodrigo Granda. Os rebeldes insistem na desmilitarização dos municípios de Pradero e Florida para conversar sobre uma troca humanitária com o governo colombiano.O jornalista independente Lázaro Vivero disse à Rádio Caracol ter entrevistado Luis Edgar Devia, membro do Secretariado do Estado-Maior Central (cúpula) das Farc. O líder rebelde garantiu a ele que o grupo não negociou com o governo da França a saída da prisão de Granda.Vivero acrescentou que segundo Devia, conhecido como Raúl Reyes, as Farc escolheram há muito tempo três nomes para discutir o tema da possível troca entre guerrilheiros presos e reféns. Eles são Fabián Ramírez, Felipe Rincón e Carlos Antonio Lozada.As declarações levam à conclusão de que Granda, libertado por uma decisão unilateral do presidente colombiano, Álvaro Uribe, não teria o aval para negociar o intercâmbio.Segundo Vivero, "Reyes" enfatizou que só haverá encontros com representantes do governo nas localidades de Pradero e Florida, no departamento do Valle del Cauca (sudoeste), que antes devem ser desmilitarizadas."Reyes" também comentou a situação do menino Emmanuel, filho da ex-candidata à Vice-Presidência Clara Rojas, que está em poder das Farc há mais de cinco anos. O chefe rebelde lamentou a situação da criança nascida em cativeiro, mas disse que muitas outras vivem no mesmo estado e citou como exemplo os filhos das guerrilheiras presas.Em contatos com a imprensa, Granda agradeceu ao presidente da França, Nicolas Sarkozy, pelas gestões pela paz na Colômbia.

Mais conteúdo sobre:
GrandaFarcColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.